Dia 23 – Será que a burra nos vai deixar mal? Em direcção ao Mar Aral, no Uzbequistão 🇺🇿 | Crónicas do Rally Mongol

Dia 23 – Será que a burra nos vai deixar mal? Em direcção ao Mar Aral, no Uzbequistão 🇺🇿 | Crónicas do Rally Mongol

Depois de uma noite passada junto à cratera de Darvaza, era tempo de acordar cedo, desmontar as tendas, arrumar tudo na burra, comer qualquer coisa e seguir viagem. Tínhamos pela frente a estrada de areia de acesso à cratera, muitos quilómetros de estrada turcomana em más condições, uma passagem de fronteira de duração imprevista e ainda uns bons 200km de estrada no Uzbequistão até chegarmos ao Mar Aral ou, pelo menos, a uma cidade que já esteve nas margens do Mar Aral, Moynaq.

Logo à partida, tentámos seguir um trilho diferente daquele que tínhamos seguido no dia anterior, para evitar troços com muita areia. No início correu bem, mas mais à frente ficámos novamente atolados. As pranchas e a força de braços salvaram-nos novamente, mas da segunda vez tivemos de pedir ajuda a um camião que passava. Puxou-nos para terreno mais firme e seguimos caminho. Dali para a frente conseguimos desviar-nos e ultrapassar os obstáculos até chegarmos à estrada principal.

Do cruzamento para Darvaza até à fronteira com o Uzbequistão, cruza-se o deserto de Karakum. Não há nenhuma localidade nesse percurso até se chegar perto da fronteira, por isso o objectivo era chegar lá o mais rapidamente possível. No entanto, as coisas não pareciam correr pelo melhor. Depois da passagem pela estrada de areia, e de uma pancada forte por baixo da burra, a quinta mudança não entrava. Não podendo ter assistência no percurso, não tínhamos alternativa em seguir em frente.

Mas os muitos buracos no asfalto e a inexistência de piso em certos troços atrasavam-nos. Quando, nos poucos troços com piso em melhores condições, se podia ir mais depressa, a falta da quinta mudança não o permitia! Sendo assim, estávamos obrigados a uma média que rondava os 60km/h, o que levaria a 5-6 horas de viagem até à fronteira. Os Carapaus Agostinho e Eduardo ainda inspeccionaram a burra para ver se conseguiam repará-la, mas repararam que um dos foles estava a largar massa. Outro problema! Uma ida ao mecânico parecia inevitável então, sendo a única hipótese a cidade de Nukus, já no Uzbequistão.

Seguimos em frente e chegámos finalmente à fronteira. O processo foi rápido do lado do Turquemenistão, e também, surpreendentemente, do lado do Uzbequistão. No lado turcomano, entregamos o aparelho de GPS e mostramos algumas fotos, mas foi tudo tranquilo. No lado do Uzbequistão, a revista das malas e do carro foi mais rigorosa, e por isso mais morosa, mas, ainda assim, o processo todo deverá ter demorado cerca de duas horas.

Enquanto estávamos na fronteira, o Carapau Eduardo aproveitou para testar a sua teoria de que a pancada na burra teria amolado a chapa de protecção do cárter e que esta estaria a impedir a entrada da quinta mudança. E não é que estava certo! Afinal temos mesmo mecânico… Ainda assim, tínhamos de passar por um profissional. Perto de Nukus, deixámos a burra a ser inspeccionada e confirmou-se o melhor: o fole só precisava de uma anilha e a protecção do cárter de umas pancadas para a endireitar. Tudo resolvido por 10USD e em pouco tempo! Maravilha…

Era tempo de almoçar num restaurante à beira da estrada, trocar algum dinheiro e seguir caminho. Ainda tínhamos ponderado a hipótese de não rumarmos a norte nesse dia, mas como os problemas da burra tinham sido resolvidos, o Mar Aral esperava por nós.

As estradas do Uzbequistão revelavam melhorias substanciais relativamente ao país vizinho e a estrada em direcção ao Cazaquistão foi feita a 100km/h. Depois do corte em direcção a Moynaq, a estrada piorou novamente, mas ainda assim permitiu que chegássemos em tempo útil. No entanto, tinha sido um dia comprido e cansativo. Era já noite cerrada quando chegámos a Moynaq e procurámos um acampamento de yurts que albergava visitantes.

A cidade, que sofreu muito com o retrocesso do Mar Aral e consequente desertificação da área e perda das indústrias pesqueiras e de conservas, parece agora em recuperação e com uma alma mais rejuvenescida do que aquela que tínhamos conhecido em 2013, quando visitámos Moynaq na nossa Rota da Seda.

No acampamento, conseguimos um bom negócio, com direito a duche (bem preciso) e pequeno-almoço. No entanto, demo-nos rapidamente conta que o duche era singular: numa terra desesperadamente sem água, o precioso líquido é racionado (pelo menos no nosso alojamento) e o duche foi feito com recurso a apenas um balde de água. Turismo sustentável…

Era tempo de jantar um peixe do rio e regressar à yurt e ter, finalmente, um merecido descanso.

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

      Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

 Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Alugue carro usando o Rent a Car, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar. Tudo na comodidade de sua casa.

      Faça seguro de viagem na World Nomads ao menor preço do mercado.

     Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

1 Comentário

  1. Paulo Fonseca diz: Responder

    Estou a adorar a descrição das vossas peripécias e aventuras, ampliadas pelo facto de o fazerem numa “burra” de carga já com uns anitos. Que inveja não poder integrar a equipa!
    Continuação de boas aventuras.

    Paulo Fonseca

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.