Dia 25 – Explorando a cidade de Khiva 🇺🇿 | Crónicas do Rally Mongol

Dia 25 - Explorando a cidade de Khiva 🇺🇿 | Crónicas do Rally Mongol

Para nós, visitar Khiva significava um regresso a uma cidade que nos tinha encantado durante o nosso périplo pela Rota da Seda, em 2013. Nesse ano, estivemos em ali durante três dias, e foi daí que fizemos uma incursão a Moynaq e ao mar Aral. Hoje, fazemos o percurso inverso, e o calendário apertado do Rally Mongol só nos permite ficar em Khiva durante um dia.

Mais uma vez, Khiva recebeu-nos com uma tranquilidade característica das cidades-oásis dos desertos. Apesar de o turismo já ter uma dimensão apreciável na cidade, em particular no complexo intramuralha, mas muito longe do turismo de massas, a quantidade de estrangeiros que se passeiam pelas ruelas de Khiva não perturba minimamente o ritmo de vida dos seus habitantes.

É certo que já existem muitos hostels, hotéis e restaurantes na cidade, especificamente direccionados para os clientes estrangeiros, mas o núcleo histórico da cidade não perdeu a sua autenticidade, sendo que os turistas e os locais convivem lado a lado de forma harmoniosa.

Visitar uma cidade que já conhecíamos permite-nos observá-la de uma outra forma, mais atenta aos pormenores, menos direccionada para os monumentos, mesquitas e palácios, e mais orientada para as pessoas. Porque são elas que tornam um lugar verdadeiramente singular e atractivo para aqueles que o visitam.

Felizmente, o progresso nota-se na cidade. A estrada para Bucara está em obras e uma auto-estrada está quase pronta. Uma nova estação de caminhos-de-ferro foi construída, a muralha tem obras de manutenção em algumas secções e novos empreendimentos surgem um pouco por todo o lado.

Mas Khiva sem pessoas uzbeques a viver no centro histórico não teria o mesmo encanto. À semelhança do nosso país, principalmente no Porto e Lisboa, corre-se o risco, também em Khiva, de o crescimento do turismo expulsar as pessoas do centro histórico da cidade e, no fim, restar só turistas a deambular por uma cidade-museu, bonita mas sem alma.

Por enquanto, Khiva resiste a esse destino. Os artesãos ainda têm as suas lojas e oficinas dentro das muralhas, as mulheres ainda cozem o pão em fornos tradicionais na rua, e ainda há homens a cultivar hortas. É isto que torna Khiva especial; mais do que os minaretes, as madraças, ou as mesquitas, são as pessoas que tornam Khiva uma cidade a não perder na Ásia Central.

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

      Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

 Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Alugue carro usando o Rent a Car, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar. Tudo na comodidade de sua casa.

      Faça seguro de viagem na World Nomads ao menor preço do mercado.

     Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.