A Rota da Seda

viajar
De Istambul, na Turquia, até Xian, na China, vamos traçar o nosso percurso ao longo da mítica Rota da Seda. Vamos seguir o caminho das caravanas de camelos que atravessavam o deserto, as montanhas e cruzavam os rios para alcançar o oriente. Seguiremos os passos de muitos mercadores europeus que se aventuraram no Extremo Oriente, entre eles Marco Pólo. Ao longo da nossa viagem, vamos percorrer 6 países: Turquia, Irão, Turquemenistão, Uzbequistão, Quirguistão e China. Um roteiro extraordinário.

Um pouco de história

O termo Rota da Seda surge pela voz o geógrafo alemão Ferdinand von Richthofen, no século XIX, como uma tradução do  alemão Seidenstraße. Correspondia a um conjunto de rotas comerciais que interligavam, através da Ásia, o Oriente e a Europa, originando a maior rede comercial do mundo antigo.
Durante milénios, os chineses aprenderam e dominaram o fabrico da seda (a partir da fibra branca dos casulos dos bichos-da-seda) e usavam a seda como um produto exclusivo da sua sociedade. No entanto, com as crescentes transacções comerciais, chegam à Europa rumores desse tecido suave e brilhante que só os chineses sabiam confeccionar. As técnicas de fabrico da seda eram um dos segredos mais bem guardados do império chinês. O tecido brilhante e suave asiático começou a aparecer na Europa e rapidamente se tornou num objecto de luxo, cobiçado nas melhores praças. A burguesia europeia estava disposta a pagar somas exorbitantes por essa relíquia. Iniciou-se assim uma rota mítica de caravanas que, atravessando a Ásia, abasteciam a burguesa europeia do seu novo “desejo”. Esta rota parece ser anterior a 200 a.C.
Pela Rota da Seda circulavam produtos (especialmente seda mas também muitos outros), pessoas, dinheiros e ideias, muitas delas responsáveis pelo desenvolvimento e florescimento de grandes civilizações, como o Antigo Egipto, a Mesopotâmia, a China, a Pérsia, a Índia e até Roma. Dois mundos aparentemente distantes, oriente e ocidente, aprenderam um com o outro sobre cultura, negócios e religião. Entre 200 d.C. e a época de Bizâncio a rota decaiu e só voltou a florescer em meados do século VI. Para além da seda, os produtos que vinham do Ocidente (âmbar, coral, tecidos de lã, etc.) eram trocados essencialmente por especiarias, pedras preciosas, ébano e pérolas.
A rota tradicional ligava Chang’an (actual Xian), na China, até Antioquia (actual Antakya, na Turquia), na Ásia Menor, assim como a outros locais, nomeadamente Istambul. Na cidade de Kashgar, na China, a rota dividia-se em duas vias principais: uma, através de Caracórum, levava a Karashar e Turfan (via do norte); a outra acompanhava a bacia do Rio Tarim (via do sul).As duas vias encontravam-se depois e seguiam para Xian. A Rota da Seda, no ocidente, subdividia-se em rotas do norte e do sul. A Rota Norte atravessa o leste europeu (nomeadamente algumas cidades na Bulgária), a península da Crimeia (Ucrânia), o mar Negro, o mar da Mármara, chegando aos Balcãs (ex-Jugoslávia) e por fim, a Veneza. A Rota Sul percorre o Turquemenistão, a Mesopotâmia e a Anatólia. Neste ponto, a rota divide-se em trajectos que levam à Antioquia (na Anatólia meridional, banhada pelo Mediterrâneo) ou ao Egipto e ao norte de África.
Quando Vasco da Gama descobriu o caminho marítimo para a Índia, em 1498, a rota começou a definhar e quando Marques de Pombal incentivou a cultura do bicho-da-seda, bem como a implantação de uma manufactura de seda em Lisboa, o mercado europeu passou a ser satisfeito a partir de Portugal. Era o início do fim de uma rota milenar.
Ao longo dos tempos muitos foram aqueles que percorreram a Rota da Seda, no entanto, a maioria fazia-o parcialmente, efectuando apenas alguns dos seus troços. No entanto, um viajante veneziano, Marco Polo, no século XIII, saiu de Veneza e percorreu a Rota da Seda, regressando alguns anos depois à Europa. É esta rota que vamos  também tentar percorrer.

Porque se chama Rota da Seda? 

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

      Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Alugue carro usando o Rent a Car, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar. Tudo na comodidade de sua casa.

      Faça seguro de viagem na World Nomads ao menor preço do mercado.

     Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

Deixe uma resposta