Dia 49 – Custou dizer adeus à Burra e ao fim do Rally Mongol 🇷🇺 | Crónicas do Rally Mongol

Dia 49 – Custou dizer adeus à Burra e ao fim do Rally Mongol 🇷🇺 | Crónicas do Rally Mongol

Depois do pequeno-almoço, era tempo de tratar da missão mais importante do dia, a entrega da Burra à organização do Rally Mongol. Deslocámo-nos à meta, mas rapidamente nos demos conta que não era ali o ponto de entrega dos veículos. Depois de consultarmos os e-mails, arranjámos a morada certa e foi para lá que nos dirigimos.

Fora do centro da cidade, encontrámos um centro de recolha, onde já se encontravam dezenas de carros de outras equipas. Passámos algum tempo a observar aquele espectáculo. Algumas Kangoo fariam companhia à nossa Burra. Alguns carros estavam bastante destruídos, fazendo pensar se os seus ocupantes não se teriam magoado a sério. E a maior parte dos carros estava marcada com tinta vermelha, sinal que seriam levados para abate.

Mas a nossa Burra não! Depois de preenchidos os papéis, começámos a dizer adeus. Mas não é um adeus, mas sim até já. A Burra será despachada de comboio até à Estónia, chegando lá previsivelmente até Novembro. Depois será despachada de camião até à Bélgica, ou França, ou até Espanha. As opções serão mais tarde discutidas.

O que é indiscutível é que iremos buscar a Burra algures na Europa e a traremos de volta a Portugal, de onde saiu no dia 14 de Julho passado. Ela merece-o porque grande parte do nosso sucesso no Rally Mongol se deve a ela. Mais de 20.000km depois, em algumas das estradas mais exigentes do mundo, ultrapassados passos de montanha a quase 5000m e desertos escaldantes, com zero furos, zero multas e zero toques, é tempo de ela regressar a Portugal.

Até já, Burrinha!

Para regressar ao centro da cidade, apanhámos uma marshrutka, juntamente com a população local, que rapidamente nos trouxe de volta. Demos uma volta a pé pelo centro da cidade. Ulan Ude não tem grandes atracções, mas ainda visitámos a catedral da cidade, Odigitria, e passámos sob o grande arco, uma réplica do arco que comemorava a visita à cidade, em 1891, de Nicolau II, o que seria o último czar da Rússia. O temo piorava e a chuva intensificava-se, por isso também não demos largas à nossa exploração da cidade.

Aproveitámos para almoçar num restaurante que se mostrou uma óptima escolha, pela qualidade da sua carne grelhada, e experimentámos pela última vez o famoso shashlik da Ásia Central.

De tarde, recolhemos ao hostel pois era necessário arranjar as mochilas para a viagem de volta a Portugal. Durante o Rally Mogol, muitas das coisas vão separadas, mas agora era necessário organizar a bagagem com atenção.

À noite, escolhemos um pequeno restaurante e comemos uns hambúrgueres deliciosos. De sobremesa, passámos pelo marco da cidade, o grande busto de Lenine, herdado da época soviética e o maior do mundo. Para combater a nostalgia do fim, ou para alimentá-la, resolvemos fumar um puro cubano sob o olhar atento do visionário Lenine.

Para acabar a noite, regressámos ao restaurante do primeiro dia em Ulan Ude, e subimos ao primeiro andar, onde fizemos uma sessão de shisha para dizer adeus à Ásia Central.

De madrugada, estava marcada a ida para o aeroporto. Nós ainda iríamos passar dois dias em Moscovo, antes de regressarmos a Portugal. Já lá tínhamos estado aquando do nosso Transiberiano, mas é sempre bom regressar à grande capital da Rússia. E já em Portugal, esperaremos pelo último elemento do grupo a regressar a casa, a nossa Burrinha, que nos trouxe sãos e salvos até Ulan Ude, e que se encontrará connosco, de volta, algures na Europa.

Contaremos também aqui o resultado desse encontro, para poder finalizar, de facto, esta história do Rally Mongol. Até lá.

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

      Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

 Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Alugue carro usando o Rent a Car, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar. Tudo na comodidade de sua casa.

      Faça seguro de viagem na World Nomads ao menor preço do mercado.

     Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

5 Comentários

  1. Cláudia S. diz: Responder

    Sou uma das leitoras “fantasma” com quem por vezes se revoltam, que lê silenciosamente e não comenta, não partilha.

    Gostava de vos agradecer a partilha das vossas histórias! Apesar de acreditar que nunca na vida faça uma viagem destas, que não vá passear até aos confins da Russia ou ver a cratera de Darvasa com os meus próprios olhos, vocês têm o condão da escrita, de me fazer sentir lá ao ponto de me encolher com os sustos da Burra.

    Continuem a explorar as maravilhas perdidas deste mundo e eu continuarei a ler, a “viajar” também à vossa boleia.

    1. Carla Mota diz: Responder

      Muito obrigada pelas suas palavras, Claúdia. Adorámos fantasmas assim. 😀 É maravilhoso saber que existem pessoas desse lado que nos lêem e que sentem as emoções que partilhamos. Passar para palavras aquilo que sente o coração é muito difícil, às vezes sentimo-nos impotentes. Tentamos fazê-lo da melhor forma que sabemos, embora muito acabe por ficar cá dentro. Quem sabe um dia ainda verá Darvaza e outros lugares. O mundo é muito mais fácil do que parece.

  2. Luís Mendes diz: Responder

    Há questões que eu tenho, mas se calhar são só minhas.. mas ficam aqui algumas coisas que tenho curiosidade e pode ser que achem pertinentes.

    As vossas dormidas pareceram sempre aleatórias, ou seja, parece que chegavam à cidade e iam procurar Hotel, foi isso que aconteceu? Ou já tinham planeado? É que pelos textos pareceu tudo tão expontâneo que parece que tinham a maioria marcada.

    Pelos menos acamparam uma vez na cratera de Darvasa, fizeram-no mais vezes? Se não qual a razão? insegurança, animais perigosos (cobras etc…) ou simplesmente queriam descansar melhor.

    A organização do evento aconselha rotas? Aconselha sitios para pernoitar ou passar?
    O que levaram que foi completamente desnecessário?
    O que não levaram que vos fez imensa falta?

    Algum sitio que é um Must Stop to enjoy?

    E roubaram as cameras à Team Columbus :(

  3. Luís Mendes diz: Responder

    Segui-vos a cada post :D.
    Acho que vão acabar por a ir buscar (a Burra) a algum país da Europa para a terem parada à porta de casa para todo o sempre :D.

    Comos vocês já acabaram e os Desert Sailors também, agora vou acompanhar a “Team Columbus” que está a fazer num autocarro de 2 andares.

    Á algum tempo que sonho fazer isto, mas o tempo de férias é algo difícil de arranjar..

    Sabem o que dava um jeitão? Ter noção dos gastos.. E isto porquê, porque vocês acabaram por aproveitar alguns países, demoraram mais tempo com isso, mas é isso que gostava de fazer um dia :D.

    Parabéns!

    1. Carla Mota diz: Responder

      Vamos fazer alguns artigos com dicas bem práticas, como travessias de fronteira, custos, problemas, etc. Se tiver sugestões, diga-nos. Também temos acompanhado a team columbus online. São malucos de todo! Fizeram um percurso semelhante ao nosso mas nunca nos encontramos. Teria sido muito giro.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.