As FISGAS DE ERMELO, uma lição de Geografia no ex-líbris da SERRA DO ALVÃO | Portugal

As FISGAS DE ERMELO, uma lição de Geografia no ex-líbris da SERRA DO ALVÃO | Portugal
A norte do rio Douro localiza-se o conjunto montanhoso Alvão-Marão que, juntamente com as serras da Peneda, Gerês, Larouco, Barroso e Cabreira funcionam como uma barreira de condensação que separa o Minho e o Douro Litoral de Trás-os-Montes. Na Serra do Alvão distinguem-se duas áreas com morfologia e paisagem distintas consoante a sua litologia. Uma área granítica de planalto, onde se localizam as povoações de Alvadia e Lamas de Ôlo e uma outra, fortemente recortada pela acção da tectónica, predominantemente xistosa, onde se desenvolvem vertentes declivosas em direcção aos vales encaixados dos principais cursos de água: o rio Ôlo, o rio Cabril e o rio Poio. O contacto destas duas unidades litológicas é feito por uma barreira quartzítica que marca a transição da paisagem, e na qual se localiza o mais emblemático acidente geomorfológico regional: as quedas de água das Fisgas de Ermelo.
 
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
 

O rio Ôlo constitui um dos cursos de água mais importantes do Alvão, senão mesmo o mais relevante. Com um percurso de 42 km, nasce na Cabeça de Tamões a 1 263 m de altitude e corre pelos granitos até alcançar a povoação de Lamas de Ôlo. Neste percurso, o rio Ôlo adapta-se claramente à rede de fracturação. Nas imediações da aldeia de Lamas de Ôlo, o curso de água inflecte para oeste e aproveita o contacto do granito com as formações metassedimentares para traçar o seu trajecto. A jusante da aldeia, o rio volta a entrar nos granitos e o curso de água atravessa um vale encaixado. Quando o rio Ôlo chega aos xistos, no vale de Cerdeira, vai serpenteando e adapta-se às fragilidades da estrutura, correndo num vale encaixado até às proximidades da aldeia de Varzigueto. Aqui o curso de água encontra-se a uma cota que ronda os 700 m de altitude. A jusante, o rio atravessa uma bancada quartzítica, responsável pela crista mais imponente do Parque Natural do Alvão e que dá origem à imagem de marca deste parque – as Fisgas de Ermelo.

As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
 
O curso de água aproveita as falhas e fracturas que existem no local para efectuar o seu trajecto num percurso de 2 500 m, deparando-se com um desnível de 400 m de altura. Trata-se de um caso de adaptação da rede hidrográfica à tectónica e particularmente à fracturação. Este local, designado por Fisgas de Ermelo, deve o seu nome à proximidade da aldeia de Ermelo, bem como ao facto do rio atravessar os quartzitos, criando várias quedas de água e assim, “esfisgar” nos mesmos. As quedas de água do rio Ôlo, nas “Fisgas de Ermelo”, já foram objecto de um estudo para aproveitamento hidroeléctrico, no entanto, esta ambição, felizmente, nunca passou do projecto graças à tenacidade do Parque Natural do Alvão.
 
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
O rio Ôlo quando atravessa as bancadas de quartzito fá-lo transversalmente às formações, criando uma série de quedas de água consecutivas que se vão quebrando em cavidades onde a água se acumula e que as populações locais designam por “piócas”. Durante o percurso em que o rio Ôlo atravessa os quartzitos, o curso de água cria uma série de “marmitas de gigante”, que chegam a atingir entre dois metros e dois metros e meio de profundidade e cerca de 70 a 80 cm de largura. Na área das Fisgas, as vertentes apresentam-se bastante escarpadas e com uma coloração amarelada, proveniente do desenvolvimento dos líquenes Dimelaena oreina, que se fixam nestas paredes rochosas e marcam a paisagem. A “fraga amarela”, do lado norte, é um bom exemplo.
 
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
 
Na base deste trajecto do rio pelos quartzitos, o curso de água volta a entrar nos xistos, perdendo-se de vista e criando aquilo a que os populares chamam “cauda de arganaz”. Aqui o rio atravessa um vale extremamente encaixado com vertentes rochosas com declive quase vertical, ideais para a prática de canyonning, já que este troço é praticamente impossível de ser percorrido a pé sem o auxílio de cordas. Aqui, o rio passa dos 480 m para os 390 m de altitude. A jusante deste vale, o rio inflecte de direcção e acompanha uma falha que se estende de Cavernelhe a Ermelo. Neste percurso voltam a aparecer três grandes “piócas” que resultam da acção erosiva do rio nos quartzitos. Estas apresentam cerca de 10-12 m de largura e 12-15 m de comprimento, com uma profundidade de cerca de 4-5 m em alguns locais.
 
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
 

A jusante da aldeia de Ermelo, na Volta da Lousa, o rio corre sobre os xistos, mas antes de confluir com o rio Tâmega, o curso de água volta a atravessar uma área granítica, correndo num vale de falha encaixado.

As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
O vale do Rio Ôlo, nas Fisgas de Ermelo, pela sua morfologia, apresenta características privilegiadas para a prática de canyonning, assim como o rio Poio, nas imediações de Alvadia, e as quedas de água do rio Cabrão. Na presença de vales de fractura e escarpas com fortes declives, cuja base é ocupada pelo rio, esta pode ser a única forma de exploração destes locais.
 
As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal

Depois da distinção das Fisgas de Ermelo, pelo New 7 Wonders Portugal, como integrando a lista de candidatos às Sete Maravilhas Naturais de Portugal, as Fisgas de Ermelo têm recebido cada vez mais visitantes. A vista do miradouro das fisgas é soberba e em breve será inaugurado um percurso pedestre circular com cerca de 12 km, a partir da aldeia de Ermelo, que permitirá uma proximidade ainda maior a este local, bem como uma experiência geográfica do Alvão. Assim, de carro, a pé ou em canyonning, as Fisgas aguardam pela visita de todos aqueles que ainda não descobriram este cantinho encantador no norte de Portugal.

As Fisgas de Ermelo, um lição de Geografia no ex-líbris da Serra do Alvão | Portugal
 
 

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

Resultado de imagem para hotel icon Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Resultado de imagem para tourism iconMarque os seus bilhetes nos monumentos e tours, evitando filas usando o Get Your Guide.

Imagem relacionada  Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Resultado de imagem para car icon  Alugue carro usando o RentalCars, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar.

Resultado de imagem para saúde icon  Faça seguro de viagem na Iati Seguros ao menor preço do mercado e com seguros especializados para viajantes. Se usar este link gozará de 5% de desconto.

Resultado de imagem para livro icon  Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

 Este blogue contém links de programas de afiliados.

2 Comentários

  1. Jorge Fotoura diz: Responder

    De todas que consultei, a mais completa informação sobre o Alvão e seu rio OLO. Meus sinceros parabens pela completa e exemplar descrição do Rio Olo, desde a sua nascente ate a foz, o percurso a morfologia do terreno que atravessa e completa analise das Fiasgas do Ermelo e suas piocas. Um abraço e continuação de bons caminhos, pelo mundo fora.

  2. humberto diz: Responder

    Muito bom artigo, mas por vezes um pouco exagerado e incompleto. Em garotos tinhamos uma espécie de desafio que era fazer das piocas de baixo até às de cima sem molhar os pés (e era possível. E infelismente por causa da erosão devido aos incendios as piocas estão a desaparecer( nos anos 70/80 algumas ainda faziam mais de 10 metros de profundura).

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.