Dia 44 – Atravessando o Gobi chegamos a Ulan Bator, a capital da Mongólia 🇲🇳 | Crónicas do Rally Mongol

Dia 44 - Atravessando o Gobi chegamos a Ulan Bator, a capital da Mongólia 🇲🇳 , | Crónicas do Rally Mongol

De manhã, aproveitámos o pequeno-almoço incluído no preço do alojamento e comemos ovos estrelados com pão, acompanhado de chá. Sentíamo-nos relaxados e tranquilos, pois tínhamos ultrapassado a parte mais difícil das estradas da Mongólia. No entanto, embora as informações que tínhamos nos assegurassem que a estrada até Ulan Bator era de boa qualidade, não tínhamos certezas e portanto tínhamos de regressar à estrada o mais cedo possível.

No dia anterior, a Burra tinha sido sujeita a uma grande pancada por baixo, e tínhamos ficado atolados em areia muito fina. Tudo isso não contribuía para a saúde da Burra e para o seu bom desempenho nas estradas da Mongólia. Logo após sairmos do hotel, reparámos que a quinta mudança não entrava, algo que já tinha acontecido anteriormente. Como a estrada supostamente iria ser asfaltada até Ulan Bator, a quinta mudança seria indispensável e, portanto, tínhamos de resolver o assunto. Como não tínhamos tempo para gastar à procura de um mecânico, resolvemos tentar tratar do problema por conta própria.

Pela experiência anterior, pensávamos que o problema teria origem na pancada do dia anterior, que teria empenado a protecção do cárter. Parámos na berma da estrada logo à saída de Bayankhongor, e com a ajuda das grades subimos a Burra para poder tirar a protecção do cárter. A quantidade de areia que saiu do seu interior foi impressionante e, confiando que a estrada dali para a frente não seria muito má, resolvemos avançar sem a protecção. A quinta mudança voltava a entrar!

Mas, logo à frente, a estrada asfaltada parecia acabar! Entrámos numa estrada de terra batida, e começámos a ver a nossa vida a andar para trás… Será que iria ser assim até Ulan Bator? Felizmente, foi só um pequeno troço e regressámos rapidamente ao asfalto. Dali para a frente, embora o piso tivesse alguns buracos (uma vez que esta estrada é mais antiga do que aquelas que tínhamos percorrido no dia anterior), a verdade é que, com algum cuidado, a progressão era rápida e sem grandes percalços.

Pelo caminho, visitámos um monumento nacional dedicado aos cavalos mongóis, localizado numa colina e onde as pessoas deixam lenços coloridos em homenagem às divindades e aos mais famosos cavalos de corrida mongóis.

Almoçámos num restaurante de beira de estrada, e experimentámos tsuivan, um prato tradicional de massa com carne de borrego ou cabra. O cheiro a ranço dentro do boteco era tal que dois dos carapaus desistiram ao primeiro embate.

Antes de chegarmos a Ulan Bator, passámos ainda por uma pequena zona de dunas, onde existiam alguns acampamentos de gers e onde os camelos passeavam os turistas. O Deserto do Gobi e as suas grandes dunas estavam muito para sul, mas a sua influência faz-se sentir a grandes distâncias.

Chegámos a Ulan Bator ao fim da tarde, e sentíamo-nos cansados mas muito contentes. A parte mais difícil da viagem pelas estradas da Mongólia tinha sido ultrapassada com sucesso e sentíamos que o Rally Mongol estava a chegar ao fim. Aliás, era ali que o Rally costumava acabar mas, devido a problemas com a logística dos carros, o governo mongol deixou de autorizar o evento e, por isso, o Rally Mongol acaba agora na cidade russa de Ulan Ude, não muito longe da fronteira com a Mongólia.

Alojámo-nos no hostel em que tínhamos reserva, bem no centro da grande cidade. Por coincidência, uma amiga da Carla, que com ela tinha feito a Rota da Seda da Nomad, estava em Ulan Bator. Combinámos jantar com ela, e acabámos por ter um óptimo jantar num dos melhores restaurantes da cidade. Pelo menos, assim nos pareceu, dado a qualidade da comida e do serviço, especialmente se comparadas com a frugalidade do que tínhamos experimentado nos dias anteriores!

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

      Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

 Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Alugue carro usando o Rent a Car, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar. Tudo na comodidade de sua casa.

      Faça seguro de viagem na World Nomads ao menor preço do mercado.

     Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

2 Comentários

  1. Que saudades da Mongólia. Fui aí algumas vezes, no início da minha “carreira” como líder Nomad, e sempre guardo esse país com enorme carinho. Agora, tenho de reconhecer que ler sobre estradas asfaltadas na Mongólia é estranho… hehehehehe
    Grande abraço e bom regresso a Portugal.

    1. Carla Mota diz: Responder

      É outra Mongólia, Filipe. Mas se voltares a Ulan Bator é que vais ficar chocado mesmo. 😀

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.