Dia 42 – Apaixonados pelos modos de vida das estepes da Mongólia 🇲🇳 , de Khovd a Buutsagaan | Crónicas do Rally Mongol

Dia 42 – Apaixonados pelos modos de vida das estepes da Mongólia 🇲🇳 , de Khovd a Buutsagaan | Crónicas do Rally Mongol

Neste dia, o nosso objectivo era percorrer o mais que conseguíssemos das estepes da Mongólia, pois queríamos chegar à cidade de Bayankhongor em dois dias. Até à localidade de Altai, a estrada foi boa, asfaltada, de óptima qualidade. É uma estrada nova, e vê-se que alguns pormenores ainda não estão ultimados, mas pareceu-nos uma maravilha. Nós até comentamos que nem pareciam as mesmas estepes da Mongólia que tínhamos na memória

Nota-se um esforço do governo por construir vias de comunicação novas e mais rápidas, algo que é essencial para a melhoria do nível de vida da sua população. Por um lado retira um pouco da magia de percorrer trilhos em terra batida, areia, lama ou terreno pedregoso. Por outro lado, a segurança e rapidez das travessias é um factor fundamental para todos aqueles que querem deslocar-se ou viajar dentro da Mongólia.

A paisagem maravilhosa das estepes da Mongólia continuou a acompanhar-nos, e parámos um pouco para admirar um rebanho de ovelhas e cabras. Amesterdão (Agostinho) e Ushuaia (Carla) saíram da Burra e resolveram fazer de pastores e tentaram juntar os animais. Claro que já se sabe quem saiu da situação por ser mais rápido!

Logo a seguir, apareceram os verdadeiros pastores e vinham acompanhados de um carro com pessoas que pretendiam comprar uma ovelha. Assistimos então, em primeira fila, às tentativas de captura por laço, até que um dos pastores conseguiu o propósito fazendo uma placagem à pobre ovelha. É assim a vida nas estepes da Mongólia…

Chegados a Altai, escolhemos um restaurante para almoçar e acertámos em cheio! O restaurante era chinês e tinha muitos e apetitosos pratos. Escolhemos um com carne de vaca ou de cordeiro em pedaços acompanhado de arroz frito e salada. Delicioso! Mas a viagem pelas estepes da Mongólia tinha de prosseguir…

Estávamos convencidos que a estrada seria asfaltada até à localidade de Buutsagaan, onde pretendíamos passar a noite, mas tal acabou por não acontecer. Pouco mais de 100 km depois de termos saído de Altai, a estrada asfaltada acabou abruptamente e deu lugar a terra batida. A noite estava a cair, e o céu estava muito carregado de nuvens escuras. Durante o dia observámos a chuva a cair em lugares distantes, para lá das montanhas que víamos no horizonte. No entanto, agora, começava a chover no sítio onde estávamos.

A lição que tínhamos aprendido no dia anterior começou a ressoar nas nossas cabeças. As estradas da Mongólia são famosas por se transformarem em autênticos lamaçais em caso de chuva, e não queríamos ficar atolados de noite, sob chuva, e sem ajuda imediata. Tudo isto passava na cabeça de todos os Carapaus, mas ninguém exprimia em palavras. Apesar do silêncio na Burra, sentia-se a tensão no ar.

De repente, avistámos uma paragem de camiões, com três ou quatro gers, e vários camiões estacionados. Quase em uníssono, resolvemos parar para perguntar se podíamos ficar ali a pernoitar. A família responsável pelo negócio (mini-mercado, restaurante e reparação de camiões) recebeu-nos com simpatia e umas chávenas do tradicional suutei tsai, chá salgado com leite.

O preço que nos pediam era muito em conta e, mais do que isso, aquele lugar pareceu-nos providencial naquela situação. A chuva intensificava-se e os relâmpagos iluminavam o horizonte. Continuar naquelas circunstâncias seria mais que aventureiro, seria perigoso, para nós e para a Burra. No escuro, com faróis fracos, sem conhecer o caminho, seria muito fácil ficar atolado na lama ou preso num buraco. Sendo assim, decidimos passar a noite na ger à beira da estrada.

Ainda conseguimos assistir a um pôr-do-sol espectacular, com a planura das estepes da Mongólia diante de nós, e as gers iluminadas por um laranja espantoso, e depois instalámo-nos na ger, que suspeitamos que fosse da família, mas que agora seria nossa por uma noite.

O filho mais velho, Bat, organizou a ger, e depois arranjámos um jantar caseiro com tostas com queijo, mel com frutos secos, acompanhado de vinho e vodka, tudo rematado por uma sessão de narguilé.

Lá fora, o frio instalava-se mas a chuva tinha parado. As nuvens começavam a dissipar-se, mas ainda se ouviam relâmpagos à distância. O céu estrelado começou a mostrar-se em toda a sua magnificência. Dentro da ger, a conversa continuava animada e acabou por ser uma das noites mais memoráveis do Rally Mongol.

Antes de nos deitarmos, vim cá fora. O céu estava pontilhado por milhares de estrelas e a Ursa Maior encontrava-se por cima das gers. E ali compreendi porque a antiga religião praticada na Mongólia, antes da propagação das grandes religiões, se baseava na vida em harmonia com o mundo, sustentado pelas divindades do Eterno Céu Azul e Fértil Mãe-Terra. A Mongólia é, sem dúvida, a filha dessas divindades e continua, hoje como então, a maravilhar quem a contempla.

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

      Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

 Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Alugue carro usando o Rent a Car, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar. Tudo na comodidade de sua casa.

      Faça seguro de viagem na World Nomads ao menor preço do mercado.

     Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

2 Comentários

  1. Xiii…. já tinha ouvido falar nas estradas novas das estepes mongóis, mas ainda não as tinha visto em imagens. Parece outro país… :)

    1. Carla Mota diz: Responder

      Até corta o coração. Mas a Mongólia está a mudar. Muito e rápido. Ulan Batar parace a China. :(

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.