O BUDISMO na Mongólia

O BUDISMO na Mongólia

Cerca de 80% dos 2,7 milhões de mongolianos são crentes budistas e a história deste país está intimamente ligada com a expansão desta religião neste território. Curiosamente, esta foi feita a partir do Tibete e não a partir da China. Foi já no século XVI que um imperador Mongol, descendente de Ghenjis Khan (que tinha sido o primeiro a dar liberdade religiosa aos seus súbditos, tendo na sua corte representantes de várias religiões), foi convertido ao budismo por um monge (lama) tibetano e o consagrou com o titulo de “Dalai” (palavra mongol que significa oceano, daí a designação de oceano de sabedoria associada ao Dalai Lama). Aos dois antecessores (espirituais, entenda-se) deste monge foram-lhes atribuídos (postumamente) os títulos de primeiro e segundo Dalai Lama, continuando esta designação ate aos nossos dias, sendo que o actual Dalai Lama (o décimo quarto) vive exilado na Índia desde a invasão do Tibete pelos chineses em 1959. A linhagem espiritual mais importante do Tibete teve assim origem na Mongólia!

O BUDISMO na Mongólia

Por sua vez, a linhagem espiritual mais importante da Mongólia (de nome Bogd Gegen) teve início quando, em 1546, uma criança de cinco anos, nascida na Mongólia, foi reconhecida como sendo a reencarnação de um santo. Essa criança viajou para o Tibete, onde foi ensinada pelos melhores mestres, tendo regressado mais tarde ao seu país para expandir o Budismo. Este primeiro Bogd Gegen, de nome Zanazabar, foi um mestre na arte da escultura em bronze e pintura, sendo que algumas das suas obras estão em exposição em museus de Ulaan Baatar. Esta linhagem acabou quando, nos tempos turbulentos que se seguiram a revolução bolchevique, a Mongólia passou a ser controlada pela Rússia, sendo que o último chefe espiritual e politico (Bogd Khan) morreu em 1924. Nos anos trinta, durante as purgas de Estaline, o Budismo na Mongólia sofreu o seu mais rude golpe, quando foram sistematicamente destruídos quase todos os mosteiros do país, sendo os monges mortos ou enviados para a Sibéria. Só após a desagregação da URSS, e subsequentes eleições livres na Mongólia, é que foi possível a reconstrução de alguns mosteiros com monges residentes, processo que continua ainda hoje.

Visitamos, em Ulaan Baatar, dois complexos de mosteiros bastantes diferentes. O primeiro (fundado em 1838 e fortemente destruído em 1937), de nome Gandan Khiid, e o mais importante do país e consiste em mosteiros reconstruidos a partir de meados dos anos noventa. Tem uma população residente de mais de 600 monges e e possível aos visitantes assistirem às cerimonias matinais. Não era possível tirar fotos dentro dos templos mas a Carla lá arranjou maneira de tirar uma!

O BUDISMO na Mongólia

Um complexo bem diferente é o Templo Choijin Lama, onde residia o irmão do Bogd Khan, o oráculo oficial do reino. Este complexo, actualmente rodeado de arranha-céus em construção, foi dos poucos a sobreviver a destruição imposta por Estaline, apenas porque os soviéticos o transformaram num museu para mostrar como funcionava um sistema social retrogrado! Ainda bem que o fizeram pois assim temos a possibilidade de ter um vislumbre da riqueza cultural deste povo.

O BUDISMO na Mongólia

Fora da capital, visitamos o que resta de um complexo de mosteiros cuja origem remonta aos tempos da criação da histórica capital do império mongol, Karakorum, no século XIII. O estatuto desta cidade durou apenas 40 anos, pois a capital foi mudada para a localização da actual Pequim, e o complexo religioso foi destruído (juntamente com a cidade) um século mais tarde. Refundado em 1586 com o nome de Erdene Zuu (100 tesouros), foi o primeiro complexo de mosteiros budistas da Mongólia estimando-se que, no seu auge, tivesse cerca de 100 mosteiros e mais de 1000 monges. Em 1937, apenas 3 mosteiros e as paredes do complexo sobreviveram a destruição soviética. O complexo só voltou a ser a ser reactivado como local de peregrinação em 1990 e hoje é também um destino turístico, sendo a sua imagem de marca as paredes encimadas por 108 stupas budistas.

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

Resultado de imagem para hotel icon Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Resultado de imagem para tourism iconMarque os seus bilhetes nos monumentos e tours, evitando filas usando o Get Your Guide.

Imagem relacionada Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Resultado de imagem para car icon Alugue carro usando o RentalCars, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar.

Resultado de imagem para saúde icon Faça seguro de viagem na Iati Seguros ao menor preço do mercado e com seguros especializados para viajantes. Se usar este link gozará de 5% de desconto.

Resultado de imagem para livro icon Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

2 Comentários

  1. Rui Pinto diz: Responder

    Obrigado, Maria. Uma boa referência geral sobre o budismo é “Buda e os seus ensinamentos” (Bercholz e Kohn), da editora Difusão Cultural.

  2. Maria Célia De Santi diz: Responder

    Muito interessante está reportagem. Gostaria de saber mais. Tem alguma referência?

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.