Dia 18 – Esmagados pela grandiosidade de Isfahan, no Irão 🇮🇷 | Crónicas do Rally Mongol

Dia 18 – Esmagados pela grandiosidade de Isfahan, no Irão 🇮🇷 | Crónicas do Rally Mongol

Em Isfahan, tivemos um merecido descanso após vários dias muito intensos. Ficámos hospedados no Ghasr Monshi Hotel, uma casa senhorial recuperada, com a forma tradicional de um pátio interior e dois andares de quartos a um nível inferior ao da rua. Aproveitámos o excelente pequeno-almoço para acumular energias para um dia cheio de sítios para visitar e experiências para sentir.

Começámos o nosso périplo pela incontornável Praça Imam (Naqsh-e Jahan), que se diz a segunda maior do mundo e, provavelmente, a mais bonita do mundo, e um dos cartões de visita do Irão. Durante o dia, o movimento de pessoas não é muito já que o calor aperta.

Visitámos as fabulosas mesquitas Masjed-e Shah, também conhecidas como as mesquitas Imam, e Masjed-e Sheikh Loftollah, esta última também conhecida pela mesquita das mulheres. Ambas exibem um trabalho magnífico da decoração interior e exterior de azulejos, na técnica de majólica, que inspirou o Taj Mahal. A primeira impressiona pelos imponentes iwans (grandes portais) que conduzem aos santuários, um dos quais é conhecido pela imensa cúpula e qualidades acústicas. A segunda é particularmente bonita, pela complexidade e harmonia dos seus mosaicos.

Da praça, atravessámos o portal Qeysarieh, e seguimos para o Bazar-e Bozorg, um bazar enorme e labiríntico onde se podem encontrar as pequenas lojas que vendem de tudo, incluindo especiarias, roupas e artesanato, mas também onde se pode visitar mesquitas, antigos caravançarais, casas de chá e edifícios históricos. Sentir o movimento de pessoas, interagir com elas, e viver a hospitalidade iraniana, é uma experiência memorável. A Carla até comprou um chador para entrar nas mesquitas e mausoléus.

Pudemos também passar pelo Bazar do Ouro, muito agitado naquele dia, onde os homens compravam e vendiam ouro e outros bens, muito importantes numa época em que a instabilidade da moeda nacional se faz sentir no bolso dos iranianos.

Ali perto fica a Masjed-e Jameh, a mesquita de Sexta-Feira, a maior do Irão e onde se pode apreciar os estilos decorativos e arquitectónicos de diferentes épocas e impérios islâmicos. A mesquita continua a ser utilizada como local de culto, mas pode visitar-se e apreciar a sua imensa beleza. A sala de oração do lado norte, com as suas numerosas colunas, e a cúpula de Taj al-Molk são verdadeiramente espantosas pela graciosidade e detalhe do trabalho em tijolo.

Dali apanhámos um táxi para a igreja Vank, do século XVII, e o orgulho da comunidade arménia de Isfahan, deslocada para ali, da antiga localidade de Jolfa, pelo Shah Abbas. Os frescos exibidos em todas as paredes e tecto da igreja foram renovados e são verdadeiramente impressionantes. As cenas do Antigo e Novo Testamento são tão numerosas e belas que se pode passar horas a observá-las. As torturas infligidas a São Gregório, o Iluminador, também têm lugar de destaque, e não escondem a origem arménia desta igreja. Um lugar a não perder.

Depois, passeámos um pouco pela beira-rio, sendo que o rio estava completamente seco. Quando estivemos em Isfahan pela altura do Nowruz, as águas do rio corriam e a beleza das numerosas pontes de Isfahan era realçada pelo brilho da água e pela alegria das pessoas que ali se passeavam. Ficámos agora a saber que a água só é libertada pelas comportas de uma albufeira em ocasiões especiais e que, durante a maior parte do ano, o rio é seco. No entanto, é incontornável passear pela ponte Si-o-Seh, do início do século XVII, com 300 m de arcadas e ponto de encontro dos jovens da cidade, que ali namoriscam às escondidas.

Regressámos ao nosso hotel, onde tivemos um jantar com música ao vivo, e onde pudemos experimentar novamente a rica e variada gastronomia iraniana. Depois do jantar, acabámos o dia voltando à Praça Imam, onde nos juntámos às centenas de iranianos que faziam piqueniques e gozavam da brisa fresca que então se fazia sentir, um bálsamo após o calor intenso do dia.

O Irão conquistou o coração dos Carapaus que ainda não o conheciam, sendo que os outros já estavam conquistados, e confirmou que é um dos países mais encantadores e fascinantes de se conhecer e explorar.

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

      Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

 Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Alugue carro usando o Rent a Car, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar. Tudo na comodidade de sua casa.

      Faça seguro de viagem na World Nomads ao menor preço do mercado.

     Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

2 Comentários

  1. Lusa B.Pinro diz: Responder

    Tudo lindo de morrer !

    1. Carla Mota diz: Responder

      Mesmo 😀

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.