Dia 26 – Os rostos esquecidos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Olhando para aquelas mulheres senti o peso da tradição e do trabalho feminino, ali tão longe da igualdade do género. Tão longe de tudo e de todos. São elas que trabalham de sol a sol, nos campos, nas fábricas artesanais, nas lojas… são os rostos esquecidos das aldeias de Borobudur.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Em todas as aldeias de Borobudur vi sorrisos rasgados mas olhos amargurados pelo tempo de trabalho, pelo peso da responsabilidade de alimentar uma família, pela necessidade de comida. Tudo ali parecia real. E ao mesmo tempo, tudo ali parecia distante. O problema era eu. Ainda estava longe da realidade destas mulheres. Precisava de tempo para me ajustar. Precisava de saber indonésio para encetar uma conversa. Precisava de mais. Mas eram elas que realmente precisavam de muito mais.

– Good morning, diz-nos Busro logo pela manhã! Exibindo um sorriso envergonhado e tímido.

– Good morning, respondemos.

Veja aqui os relatos da nossa viagem da Volta ao Mundo

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Busro esperava-nos no local combinado com uma mota. Prontamente nos disse, no seu inglês pobre, que o irmão mais novo vinha ter connosco e que andariam os dois connosco pelas aldeias de Borobudur. Busro é um rapaz novo, não aparenta ter mais do que 30 anos, envergonhado e muito simples. O seu parco inglês limita algumas conversas mas ao longo do dia vai ganhado confiança e vai falando cada vez mais e melhor. Entretanto chega Whendi, o irmão mais novo. Deve ter cerca de 20 anos e só arranha o inglês. Tem um sorriso igualmente bonito, genuíno e sincero.

Compre aqui o seu bilhete para o templo de Borobudur. Pode também visitar Borobudur em tour, marque aqui. Se preferir, faça como nós e vá assistir ao nascer do sol nos templos. Pode também assistir ao pôr-do-sol. Compre o seu tour aqui.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Tanto Busro como Whendi tem olhos negros bem escuros, da cor da terra e dos templos de Borubudur. Olhos daqueles que se vêm logo que são gente muito boa e de confiança. Foi pelas suas mãos que conhecemos as aldeias de Borobudur. Não podíamos ter tido experiência melhor.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo
Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

AS ALDEIAS DE BOROBUDUR


1. CANDIREJO

Candirejo é uma das aldeias mais belas de Borobudur. Rodeada de campos de arroz, as mulheres começam bem cedo a trabalhar nos campos.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Os homens também ajudam mas a verdade é que são elas que estão dobradas sobre arrozais, apanhando o feno seco que restou da última cultura e que serve agora para alimentar o gado. Os homens param para conversar connosco mas elas não. Elas continuam a trabalhar, sobre o nosso olhar atento e apesar das minhas tentativas para encetar conversa.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo
Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

2. JUNKYARD

Busro leva-nos a medo até ao JunkYard, um parque logo ao lado criado por um artista local e que reutiliza a sucata automóvel abandonada à volta de Borobudur. Com restos de carros, motos, carrinhas e até riquexós, criou um parque de diversões que atrai a criançada local, especialmente ao final de semana. Não resistimos e entramos.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

A entrada é paga, custa 20 000 rupias/pessoa, cerca de 1,5€. O Rui ficou encantado e até parecia uma criança pequena!

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

3. TUKSONGO

Dali seguimos para Tuksongo, uma aldeia que nunca tínhamos ouvido falar mas, quando estávamos a passar reparamos numas mulheres a trabalhar no campo puxando a água. Parámos.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Logo ao lado encontramos a descoberta do dia. Estavam duas mulheres, uma nova e outra mais idosa, sentadas na soleira da entrada de uma garagem a escolher fios muito finos.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Ficamos tão intrigados que fomos ver. Busro não conhecia. Nunca tinha visto. Quantas coisas acontecem ao lado de nossa casa sem que nunca tenhamos reparado nelas. Porém, Busro meteu conversa com o dono da casa que lhe explicou que as senhoras estavam a escolher “noodles de vidro”, noodles muito finos, feitos a partir de uma palmeira. Ficamos encantados.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

As mulheres, sentadas no chão, quase não falavam, apesar de eu tentar meter-me com elas várias vezes. Só a mais velha me retribuía o sorriso. A mais nova estava vexada, submissa e até, diria, desencantada.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Passam ali os dias, sentadas no chão, a escolher noodles. Mais tarde, estes são embalados e vendidos no bazar local de Borobudur. O dono da casa estava encantado com a nossa presença e explicava a Busro todo o processo. Estava visivelmente orgulhoso no reconhecimento do seu trabalho, trabalho este que herdou há várias gerações.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Porém a nossa curiosidade era muita. Como se faz noodles a partir de uma palmeira? Busro foi incansável e tratou de descobrir junto do dono da casa. Dali, Busro e Whendi levaram-nos até ao local onde as mulheres extraem o material das palmeiras, juntam-lhe água e o transformam numa pasta que posteriormente será transformada nos noodles.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo
Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Entramos nas traseiras de um pequeno kapung, um bairro local e típico das aldeias de Borobudur. Quase uma dezena de mulheres trabalhavam a amassar a pasta dos noodles, ora criando uma pasta aquosa, ora batendo a pasta para a tornar mais sólida. Os sorrisos, as piadas e as gargalhadas das mulheres eram contagiantes. Ficamos ali uns bons minutos, aprendendo tanto sobre algo que não sabíamos nada.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

4. NGLIPOH

Busro percebeu que nós gostávamos de aprender mais sobre a cultura local e os hábitos da população e da vida rural. Disse-nos “vou-vos mostrar a aldeia da cerâmica”. E foi. Voltámos às motas e fomos ver como vive uma pequena família que depende desta actividade para viver.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

A mulher é a oleira da família. Estava agarrada ao seu torno, movido à força do pé, e fazia algumas das peças de barro que vai levar para a aldeia para vender aos locais e aos turistas. Atrás da casa, o marido, coberto de faulhas coloca as peças para cozer num forno improvisado. Na realidade mais não é do que um monte de feno a arder com potes no interior.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

5. KARANG

Logo ao lado, está a aldeia de Karang, onde Busro nos levou a conhecer uma fábrica artesanal de fazer tofu. Muito interessante, especialmente porque nunca tinha pensado como seria feito este alimento. Um jovem rapaz trabalha praticamente sozinho numa garagem escura e esquecida pelo tempo nas aldeias de Borobudur.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

A soja vem dos EUA, plantada em extensos campos de cultura intensiva e usando enormes quantidades de fertilizantes e adubos químicos. O rapaz está longe de imaginar que, aqui onde se cultiva o arroz e a chuva é abundante, aquela soja venha de terras onde as famílias mais pobres são privadas de água do domínio público para as industrias agro-alimentares produzirem monocultura de soja. O dono mostra orgulhosamente o saco que vem dos EUA e não esconde que a Indonésia não consegue produzir soja suficiente para alimentar o quarto país mais populoso do mundo.

6. SINAR SEMAR

whendi não fala muito inglês mas quando fala brilha! 😀 Virou-se para o Rui e disse-lhe: vou-vos levar a um lugar lindo. Chama-se Sinar Semar e é a casa de um amigo meu. Fomos, claro! O que não fazíamos ideia é que essa casa era uma autêntica obra de arte, onde cada edifício estava pintado com passagens históricas, culturais e religiosas de Java.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Esta casa faria as delícias de qualquer instagrammer! E nós também não resistimos a várias fotografias.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

7. IGREJA GALINHA

O dia nas aldeias de Borobudur já estava a chegar ao fim mas Busro disse-nos que não podíamos ir embora de Borobudur sem subir à Igreja Galinha. Igreja Galinha? WHAT? Seria mesmo? E era! A poucos quilómetros de Borobudur está uma igreja cristã em forma de pombo (uma alusão à Paz) mas cujo arquitecto não terá sido bem conseguido… É demasiado estranho para ser verdade mas é!

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

Pagamos 30 000 rupias para entrar e não resistimos a subir à coroa do “pombo”, embora tivessemos que esperar mais de 40 minutos e só termos 5 minutos para poder lá permanecer. As vistas são muito bonitas mas o espaço é claramente um invenção com muita falta de gosto.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

O ADEUS ÀS ALDEIAS DE BOROBUDUR

A hora de deixar os nossos amigos para trás chegou. Trocamos abraços, contactos e até fotografias. A boleia do Busro no dia anterior nunca poderia prever que sairíamos amigos desta aventura. É por isso que viajar é muito mais do que conhecer locais. Viajar é quando nos deitamos na cama, fechamos os olhos e pensamos, o dia foi extraordinário. E no entanto, não vimos monumentos de renome mas passamos o dia nas aldeias de Borobudur rodeados da simplicidade da vida das mulheres e destes amigos.

Dia 26 - Os rostos das aldeias de Borobudur | Volta ao Mundo

DICA DE ALOJAMENTO: Durante a nossa viagem a Borobudur ficamos alojados no magnífico Villa Borobudur Resort. Não deixem de espreitar.

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

Resultado de imagem para hotel icon Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Resultado de imagem para tourism iconMarque os seus bilhetes nos monumentos e tours, evitando filas usando o Get Your Guide.

Imagem relacionada  Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Resultado de imagem para car icon  Alugue carro usando o RentalCars, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar.

Resultado de imagem para saúde icon  Faça seguro de viagem na Iati Seguros ao menor preço do mercado e com seguros especializados para viajantes. Se usar este link gozará de 5% de desconto.

Resultado de imagem para livro icon  Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

 Este blogue contém links de programas de afiliados.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.