Viajar no VALE DE SPITI – Viajar nos Himalaias indianos e na cultura tibetana | Índia

Viajar no VALE DE SPITI - Viajar nos Himalaias indianos e na cultura tibetana | Índia

A Índia que eu mais gosto não é Índia. A Índia que mais gosto está no Vale de Spiti. Os Himalaias indianos fazem parte da Índia, mas não são Índia. A sua geografia, física e humana, a cultura, a religião, o clima, tudo é tão diferente do resto do território indiano, que nos sentimos noutro país.

A Índia abraça os Himalaias de braços abertos, com os territórios do Nepal, Tibete e Butão pelo meio, tocando as majestosas montanhas a leste, nos estados de Jammu e Caxemira e de Himachal Pradesh, e a oeste, nos estados de Sikkim e de Arunachal Pradesh.

Explorar os Himalaias indianos e a cultura tibetana no Vale de Spiti | Índia

Em 2007, já tínhamos visitado visitámos Jammu e Caxemira, particularmente o distrito do Ladakh, e a sua capital, a cidade de Leh. Este ano, a nossa intenção era regressar, mas desta vez visitar os distritos de Lahaul e Spiti, no norte do estado de Himachal Pradesh, fazendo fronteira com o sul do Ladakh. Também queríamos visitar os estados do nordeste, em particular o Sikkim e Arunachal Pradesh, mas as monções severas deste ano frustraram os nossos planos.

Viajar no VALE DE SPITI - Viajar nos Himalaias indianos e na cultura tibetana | Índia

O nosso objectivo era então cruzar o vale de Spiti de noroeste para sudeste, entrando por Manali, cidade que já tínhamos visitado em 2007, quando fizemos a estrada de Manali para Leh. Desta vez, iniciámos o nosso percurso pela mesma estrada mas, poucos quilómetros a norte de Manali, em vez de virarmos para oeste, em direcção a Keylong (e depois em direcção ao Ladakh e a Leh), virámos para leste, em direcção à cidade de Kaza e, posteriormente, Tabo, Nako e Rekong Peo, estas últimas já no distrito de Kinnaur, acabando o “circuito” na cidade de Shimla.

Explorar os Himalaias indianos e a cultura tibetana no Vale de Spiti | Índia

Devido à proximidade da fronteira chinesa numa região disputada, é necessário uma permissão para viajar entre as cidades de Sundo e Rekong Peo, a qual é possível obter na cidade de Kaza. O relato do nosso percurso pode ser lido aqui, em particular da viagem épica por “estrada” entre Manali e Kaza, por isso agora vamos focar-nos na descrição dos pontos fortes desta região remota e maravilhosa da Índia.

Explorar os Himalaias indianos e a cultura tibetana no Vale de Spiti | Índia

Clique em cada uma das seguintes fotos para conhecer melhor os diferentes troços desta magnífica viagem pelos Himalaias indianos e pelo vale de Spiti.

Veja aqui o video da nossa aventura no Vale de Spiti. 

SEGURO DE VIAGEM NA ÍNDIA

As autoridades da ÍNDIA não exigem, para entrar ao país, ter um seguro de viagem para cobrir despesas médicas e hospitalares. Deve, no entanto, adquirir o seguro no seu país de origem, antes da viagem. Nós fizemos o seguro normal em Portugal, mas não nos exigiram nada à entrada.  Aconselhamos que faça também o seu seguro de viagem para a Índia. Nós usamos a IATI Seguros. Se usar este link terá 5% de desconto. Não facilite.

PROCURE AQUI ALOJAMENTO NO VALE DE SPITI

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de MANALI a KAZA | Índia
Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de MANALI a KAZA | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de MANALI a KAZA | Índia

Depois de explorar Manali era hora de rumar ao Vale de Spiti. Apanhámos um táxi partilhado em frente ao Hotel Kiran eram 6 horas da manhã.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

ESTRADA DE MANALI A KAZA

A estrada de Manali a Kaza é uma viagem épica numa estrada que é mantida em funcionamento pelo esforço das autoridades, e daqueles que a usam, todos os dias durante os três meses em que isso é possível.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

À semelhança da estrada de Manali a Leh, manter esta estrada aberta durante três meses por ano é um objectivo nacional, e fulcral para a ligação do vale de Spiti ao resto do território indiano, ou ao resto do mundo.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Percorrê-la é, por si só, uma experiência inesquecível, pelas paisagens, pela aventura, mas principalmente pela coragem das gentes simples que percorrem aqueles projectos de estradas, muitas vezes arriscando a vida, para conseguirem apenas sobreviver e ajudar os seus a ter uma vida melhor.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Até chegar ao Passo de Kunzum, a 4551 m, ainda se percorre o vale de Chandra, muito rochoso, cheio de moreias glaciares e depósitos de vertente.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Antes de subir para o Passo de Kunzum, os carros param na aldeia de Batal, a última aldeia do vale de Chandra.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Depois é sempre a subir, serpenteando as montanhas cheias de glaciares e com vistas maravilhosas e de cortar a respiração.

Veja o video com o episódio 1 desta nossa aventura!

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Quando os carros chegam a Kunzum, onde se encontram várias stupas cheias de bandeiras de oração, os condutores circulam-nas pedindo bênção às montanhas para o resto da travessia. Aqui começa o vale de Spiti.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

O vale de Spiti é maravilhoso, com montanhas cobertas de neve e gelo glaciar, ponteado, aqui e ali, por aldeias tibetanas.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia
Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Aldeias pequenas, com casas cobertas de vegetação seca e caiadas de branco. As aldeias de Losar, Pangmo e Morang são fabulosas.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

A população com a pele curtida pelo sol e pela altitude, é a face dos Himalaias. Não há como enganar. Esta é outra Índia.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Dicas

  • Há táxis partilhados de Manali para Kaza. Custam 1000 rupias por pessoa e demoram cerca de 10 horas, dependendo do estado da estrada. Os táxis devem ser reservados no dia anterior, em frente ao Hotel Kiran. Procure os rapazes tibetanos que andam por lá. Nós pagámos metade do bilhete adiantado. Pode confiar. Os táxis saem às 6 horas da manhã.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

ALDEIA DE KAZA

A capital do distrito de Spiti tem uma população a rondar os 1700 habitantes, e é o maior núcleo habitacional desta região tão remota e tão pouco populosa.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

A sua localização é espectacular, nas margens do rio Spiti, num vale deslumbrante e majestoso a uma altitude de mais de 3600 m, numa região desértica, com uma precipitação anual inferior a 170 mm.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Tal como no Ladakh, a presença de exilados e a cultura predominante tibetana fazem com que os visitantes se sintam mais no Tibete do que na Índia. Aliás, devido à perseguição sem tréguas das autoridades chinesas e ao processo de aculturação em curso, há quem diga que os Himalaias indianos já são mais Tibete do que o próprio.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Deambular pelas pequenas ruas, quase sem trânsito, de Kaza é uma experiência por si só.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

À volta de Kaza é possível visitar uma série de pequenas aldeias, invariavelmente dominadas cultural e geograficamente pelos mosteiros tibetanos. Era para lá que nós íamos.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Dicas

  • Não perca a stupa de Gompa, colorida, e bem no centro da cidade. Esta stupa fica na parte nova da cidade, logo ao lado do Mosteiro de Kaza, um conjunto de vários edifícios e que vale a pena visitar. Na parte velha da cidade, do outro lado do vale seco, há um bazar caótico, típico dos Himalaias, com bandeiras de oração, alguns artigos tradicionais, roupas e legumes. É também ali que existem alguns cafés e restaurantes.
  • Não existe ligação à internet no Vale de Spiti. Mesmo que os hotéis onde se alojar digam que sim, não vai funcionar. A sua melhor opção é a internet satélite num micro internet-café, no bazar, em frente a Shambhala Homestay. Fora de Kaza, não há internet.
  • Kaza é o melhor local para se fixar e a partir dali explorar o vale e as montanhas circundantes. Pernoite ali pelo menos duas ou três noites.
  • O melhor alojamento em Kaza é o Hotel Deysor, uma espécie de instituição na cidade. Recebe viajantes de todo o mundo, tem quartos espaçosos, muito limpos e decorados de forma tradicional. Parece uma casa tibetana com muita comodidade. Tem um restaurante/bar com boa comida. É o melhor local para conhecer e conversar com os aventureiros que percorrem de carro, de mota ou de bicicleta o vale de Spiti.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

  • Para passar de Sundo a Rekong Peo, para sair do Vale de Spiti, é necessário ter uma permissão. Essa permissão só pode ser tirada em Kaza ou Rekong Peo. Nós tiramos em Kaza, no Assistant Deputy Commissioners Office (abre das 10h – 13h30 e das 14h – 17h, de segunda a sábado), bem perto do Hotel Deysor. A permissão é gratuita, e demora cerca de 30 minutos a tirar. No entanto, precisa de ter um impresso que se compra na drogaria Ashoka (Ashoka Stationers) (do outro lado da praça), três fotografias de passe, fotocópias do passaporte e da folha do visto. É fácil de obter.
  • Para conhecer o vale de Spiti pode apanhar vários autocarros locais. Esta é a forma mais barata, mas muito lenta, porque geralmente só há um autocarro por dia. Para optimizar o seu tempo, o ideal é contratar um táxi em Kaza. Há uma União de Taxistas no bazar, pelo que os preços são fixos. Isto é muito bom para si e para a população. Pagará preço justo pelos serviços prestados.
Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de Manali a Kaza | Índia

Veja aqui o video da nossa aventura no Vale de Spiti. 

O vale de Spiti de KAZA A TABO, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia
O vale de Spiti de KAZA A TABO, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de KAZA A TABO, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Chering, o mesmo motorista que nos tinha levado pelo circuito das aldeias em redor de Kaza, acompanhou-nos neste dia, para nos levar de Kaza a Tabo e, pelo meio, visitar o vale de Pin e Dhankar e Lhalung. A apenas 15 km de Kaza, a estrada bifurca, uma continuando em direcção a Tabo, outra atravessando o rio Spiti, e indo em direcção ao vale do rio Pin, afluente do rio Spiti.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

A estrada que sobe o vale de Pin é verdadeiramente uma obra sempre em constante trabalho, moldada pelos deslizamentos de terra, frequentes em tempo de Verão, quando os glaciares a maiores altitudes derretem a um ritmo maior, alimentando os rios, mas também desestabilizando a consistência das terras.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale é mais encaixado do que o vale de Spiti, e mais escuro, recebendo menos luz do sol. Do lado oposto da estrada, do outro lado do rio, podia ver-se uma pequena casa, um pequeno mosteiro, onde se chegava apenas por um caminho de cabras que seguia pendurado na vertente inclinada da margem, por vezes cortado por deslizamentos de terras.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Não sabemos se continuava a ser usado, mas aquela pequena casa é a personificação do isolamento físico e religioso desta região, onde os eremitas que vivem na solidão são ainda os homens mais respeitados.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

1. KUNGRI

Depois de cerca de uma hora de viagem, chegámos à aldeia de Gulling, mas a atracção é o mosteiro de Kungri, a poucos quilómetros, de seu nome Ugyen Sangnak Choling Gompa, e com quase 700 anos de idade.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O mosteiro tem agora um edifício novo, inaugurado pelo Dalai-Lama em 2004, mas ao lado ainda se pode visitar, se as portas estiverem abertas, alguns santuários com centenas de anos, com murais pintados em paredes escurecidas pelo fumo das velas, e no qual os monges continuam a meditar e a reverenciar as divindades tibetanas.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O mosteiro antigo é um deleite para a visão, com esculturas e pinturas a cobrir as paredes de um edifício que por fora parece um barraco abandonado.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia
O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Dicas

  • A visita aos mosteiros são gratuitas. Pode, no entanto, deixar uma pequena gratificação que será bem vinda.
  • Peça aos monges para lhe abrirem o mosteiro novo e os santuários mais antigos.
O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

2. DHANKAR

A estrada seguia pelo vale de Pin até à aldeia de Mudh, mas nós voltámos para trás, pois queríamos visitar outras aldeias na direcção de Tabo. De volta à estrada principal, no vale de Spiti, chegámos à aldeia de Dhankar, antiga capital de Spiti.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Esta tem aquele que é, provavelmente, o mosteiro com a localização mais espectacular desta região (título para o qual tem concorrência de peso).

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

A 8 km de Sichling, na estrada Kaza-Tabo, Dhankar é perfeita, e parece tirada de um conto de fadas.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Enquanto visitávamos o mosteiro de Dhankar, conhecemos uma menina também tirada de um conto de fadas, com uma simplicidade e alegria invulgares, até naquela parte do planeta. Correu em direcção à Carla, agarrou-a pela mão e desarmou o nosso coração. Sorriu. Riu. Pegou na máquina fotográfica e fotografou. Fez-nos parecer tontos, com a sua alegria.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

A menina que não chegamos a saber o nome guiou-nos pelo interior do mosteiro, mostrando os recantos mais escondidos e levando-nos aos patamares superiores, onde encontrámos o monge que vive no quarto mais alto de Dhankar, com uma gruta de meditação escavada na rocha (onde o mosteiro está pendurado).

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O mosteiro de Dhankar já não é habitado pela comunidade monástica, que se passou para o edifício novo, mas continua a ser um ponto fulcral religioso, arquitectural, e geográfico, dominando do alto o vale de Spiti, do qual se têm ali vistas de tirar a respiração (e não, não é efeito da altitude!).

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Dicas

  • Há um café na entrada do mosteiro, com uma esplanada brutal e onde poderá comprar água fresca e comer. É um local simples mas com uma vista de cortar a respiração.
  • Explore o mosteiro antigo, subindo aos seus diferentes patamares e salas.
  • Uma gratificação é bem vinda para ajudar a economia dos três monges que tomam conta do mosteiro.
  • Dhankar é um belo local para se dar uns passeios a pé. Também tem locais onde pode dormir. Pergunte no café.

3. LHALUNG

Lhalung, a apenas 12 km de Dhankar, contém uma das pérolas escondidas do vale de Spiti, uma capela onde se encontra verdadeiros tesouros artísticos e religiosos, na forma de estátuas numerosas de divindades e mestres tibetanos, que se diz terem aparecido milagrosamente ao longo de uma só noite.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Este é um dos 108 mosteiros tradicionalmente atribuídos à iniciativa de Rinchen Zangpo, uma das figuras cimeiras do budismo tibetano, do século XI, a quem as histórias conferem poderes mágicos e capacidades sobre-humanas, derivadas de uma compreensão profunda da realidade.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Discípulo do mestre indiano Atisha, Rinchen Zangpo foi também responsável pela tradução de inúmeros textos do sânscrito para o tibetano e pela segunda expansão (após o ímpeto inicial levado a cabo pelo Guru Rimpoche, Padmasambhava) do budismo no Tibete.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia
O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

A árvore quase milenária em frente ao mosteiro diz-se ter crescido no local onde Rinchen Zangpo enterrou o seu cajado para marcar o sítio onde o mosteiro teria de ser construído. Se há locais que simbolizam o mistério e magia do vale de Spiti, este pequeno mosteiro em Lhalung é um deles.

O vale de Spiti de Kaza a Tabo, passando por Dhankar, Lhalung e vale de Pin | Índia

Era hora de seguir para Tabo, o local com a mais antigo mosteiro da Índia.

Dicas

  • Só existem dois monges neste mosteiro. Quando lá chegar, provavelmente estará fechado. Não desista e não se vá embora sem o ver. Espere e pergunte por alguém que lhe possa abrir o mosteiro. Não se vai arrepender.
  • Uma gratificação é bem vinda.
  • Nós visitámos estes locais numa viagem de táxi desde Kaza até Tabo, onde ficamos. O táxi custou-nos 3500 rupias.

Veja aqui o video da nossa aventura no Vale de Spiti. 

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia
Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

Tabo ficaria para trás e o vale de Spiti também estava quase a ficar. Era hora de seguir viagem pelos Himalaias indianos. E que viagem. Esta Índia estava a ser muito mais do que poderíamos sequer imaginar. No fundo, é para isso que viajamos. Viajámos para ser surpreendidos.

1. Estrada entre Tabo a Nako

Da cidade de Tabo, apanhámos um autocarro que nos levaria a Nako, e daí outro que nos deixaria no nosso destino, a aldeia de Kalpa, ainda nos Himalaias indianos.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

A estrada é um assombro aos sentidos e um teste às nossas vertigens. Quem as tem, ou as perder, ou vai sofrer muito. O autocarro atravessa estradas de montanha vertiginosas dos Himalaias indianos, onde o motorista tem de fazer manobras para conseguir passar com os dois rodados. Por vezes, o autocarro circula com apenas três rodas assentes na estrada. Não é fácil lidar com as emoções de perigo constante.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

Segurávamo-nos ao banco do autocarro, escondíamos a cara e colávamo-nos aos bancos. Arrepiava. Mas havia que confiar no motorista. Aqueles motoristas fazem esta estrada todos os dias. Conduzem devagar e com muita cautela. Eram de confiança e nós confiamos-lhes a nossa vida. A determinada altura até conseguimos adormecer. Para acordar momentos depois com verticalidades ainda maiores. Que loucura! Mas uma loucura boa, muito boa. Uma viagem que jamais esqueceremos pelos Himalaias indianos.

Dicas

  • Há um autocarro directo de Tabo para Rekong Peo (230 rupias) todos os dias às 5h da manhã (pára em Nako). Há um autocarro que sai de Kaza e passa por Tabo, por volta das 9h da manhã, e que também vai para Rekong Peo e que também param em Nako. Não se esqueça que para fazer esta viagem precisa de permissão. Deve tirá-la em Kaza. Pode ver mais aqui.
  • Escolha sentar-se do lado direito do autocarro para desfrutar da viagem em toda a sua plenitude. Vertigens, sim, muitas. Mas é a experiência de uma vida nos Himalaias indianos.
  • Para passar de Sumdo a Rekong Peo, para sair do Vale de Spiti, é necessário ter uma permissão. Essa permissão só pode ser tirada em Kaza ou Rekong Peo. Nós tiramos em Kaza, no Assistant Deputy Commissioners Office (abre das 10h – 13h30 e das 14h – 17h, de segunda a sábado), bem perto do Hotel Deysor. A permissão é gratuita, e demora cerca de 30 minutos a tirar. No entanto, precisa de ter um impresso que se compra na drogaria Ashoka (Ashoka Stationers) (do outro lado da praça), três fotografias de passe, fotocópias do passaporte e da folha do visto. É fácil de obter.
Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

2. Sumdo

A 27 km de Tabo, a aldeia de Sumdo é um dos pontos de entrada na área de acesso restrito, para a qual se tem de ter uma permissão tirada em Kaza, ou em Rekong Peo (se fizéssemos o percurso no sentido contrário). A partir dali, deixámos o vale de Spiti para trás, entrando no distrito de Kinnaur e no vale de Hangrang, seguindo o percurso do rio Sutlej.

A poucos quilómetros da fronteira com o Tibete (sob ocupação chinesa), o cenário muda, tornando-se menos aberto e não tão luminoso. Quando chegámos a Sumdo, uma aldeia que mais parece um interposto militar e posto de controle fronteiriço, parámos para mostrar os documentos e as permissões. Todos saem do autocarro, entrando no edifício oficial do exercito indiano. Há casas de banho, felizmente, porque já ando mal dos intestinos há alguns dias. O controle é rápido e a viagem prossegue por um vale igualmente memorável e vertiginoso. Esta aldeia marca o fim do Vale de Spiti.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

3. Nako

A nossa paragem seguinte, a aldeia de Nako, é uma das mais belas da região, com uma perspectiva fabulosa sobre as montanhas vizinhas dos Himalaias indianos.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

O lago, as construções tradicionais, o mosteiro de Gompa, tudo aliado à envolvência, fazem desta aldeia uma paragem obrigatória, mas tínhamos traçado o nosso itinerário de outra forma.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

Se tivéssemos mais tempo, teríamos ficado ali a dormir uma noite, mas resolvemos seguir caminho. A paragem foi curta mas deu para um passeio pela aldeia e para contemplar as magníficas vistas sobre o vale e sobre a aldeia de Leo no fundo do vale dos Himalaias indianos.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

4. Pela estrada até Rekong Peo

A partir dali, a estrada transforma-se numa das mais espectaculares do mundo (se é que ainda podia melhorar), com precipícios e paredes verticais que nos levam a olhar para o rio que flui centenas de metros abaixo, e nos deixam a pensar como foi possível construir esta via de comunicação, e mantê-la em funcionamento, e como é possível por vezes o cruzamento de veículos.

https://www.facebook.com/plugins/video.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2FblogViajarentreViagens%2Fvideos%2F10155790452904120%2F&show_text=0&width=560

Um percurso pelos Himalaias indianos não aconselhável a pessoas com problemas cardíacos!

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

5. Rekong Peo

Rekong Peo é o centro administrativo do distrito de Kinnaur, e ali já estamos definitivamente longe de Spiti e da sua tranquilidade. Ali já impera o ritmo indiano, com as suas multidões e o barulho daí resultante. A cidade em si não tem grande interesse, aparte para quem tira lá as permissões para seguir caminho.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

Nós resolvemos acabar o dia em Kalpa, uma pequena aldeia a 7 km de Rekong Peo, percorridos num autocarro que não poderia ter sido mais antagónico em comparação com os nossos dias passados em Spiti. Parecíamos sardinhas em lata, com música aos berros, e o autocarro parecia ter sempre espaço para mais passageiros. Demorou 40 minutos a percorrer a pequena distância, mas finalmente chegámos. Já não estávamos em Spiti, mas ainda estávamos nos Himalaias indianos.

Dicas

  • Há alguns autocarros por dia de Rekong Peo para Kalpa (15 rupias), geralmente de duas em duas horas. Estes autocarros apanham os viajantes em frente aos correios, do lado oposto da Estação de Autocarros de Rekong Peo. Geralmente já vêm cheios. É a Índia. Felizmente há sempre espaço para mais um!
  • Há alojamentos em Rekong Peo ao lado da estação de autocarro. Podem ser uma boa opção no caso de chegarem já noite à cidade. Caso contrário, Kalpa é muito mais interessante.

Os Himalaias indianos e o vale de Spiti, de TABO a KALTA | Índia

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia
Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

Estávamos prestes a iniciar o último troço do circuito Spiti-Kinnaur, que nos levou por algumas das mais belas paisagens dos Himalaias indianos. Bem cedo, deixámos a aldeia de Kalpa, e dissemos adeus ao maciço de Kinnaur Kailash, escondido por trás das nuvens da manhã. Íamos a caminho de Shimla.

O nosso destino final nesse dia era a cidade de Shimla, antiga capital de verão dos ingleses, assim escolhida devido ao seu clima montanhoso mais fresco. Apanhámos um autocarro em direcção a Sarahan, onde visitaríamos o templo de Bhimakali, um templo dedicado à deusa Kali.

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

A estrada continua a ser espectacular, embora num grau diferente da estrada entre Nako e Rekong Peo. Para chegar a Sarahan, saímos do autocarro na cidade de Jeori, e dali apanhámos um táxi que nos levou a Sarahan, por uma estrada improvisada, pois a principal ligação tinha sido cortada por um deslizamento de terras. As monções faziam-se sentir.

SARAHAN

Em Sarahan, embora ainda no distrito de Kinnaur, já estamos definitivamente longe do panorama cultural e religioso de Spiti. A influência tibetana continua a fazer-se sentir, por exemplo na arquitectura dos templos hindus, e estamos em plena região montanhosa mas a uma altitude significativamente menos elevada (2165 m).

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

A estrada principal que liga Jeori a Sarahan estava intransitável devido à queda de uma ponte com as chuvas da monção. Sem possibilidade de apanhar autocarro ou riquexó, restou-nos o táxi. Atravessámos assim o vale das Maças e alcançámos o templo magnífico. 

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

O templo de Sarahan é uma reconstrução das torres originais do século XII, usando uma técnica antiga, alternando camadas de madeira e de pedra, de forma a tornar os edifícios mais resistentes a sismos.

As restrições de entrada são rigorosamente implementadas, como por exemplo a proibição da entrada de qualquer artigo em pele de animal. Não obstante, num pequeno templo ao lado fizeram-se sacrifícios humanos até ao século XVIII…

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

O Complexo do Templo de Bhimakali tem as suas origens no palácio dos reis Bushahr de Rampur, e é um complexo de pátios separados por edifícios em madeira, que levam ao pátio principal e às duas torres gémeas, edifícios que albergam a divindade ali adorada, uma representação de Bhimakali, uma das muitas formas da deusa Kali.

As portas que separam os pátios são extremamente decoradas, sendo as portas do segundo pátio de prata finamente trabalhada com representações de deuses hindus. No pátio principal acede-se à plataforma elevada onde se situa as torres gémeas. Uma delas, ligeiramente inclinada, era o templo principal até ao início do século XX, quando um terramoto a danificou.

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

A outra tornou-se desde então o santuário da divindade de Bhimakali, onde se pode entrar, mas não pudemos tirar fotos, pois as restrições na entrada são rigidamente implementadas por um guarda à entrada do pátio. Tivemos de colocar num cacifo tudo o que trazíamos, incluindo as meias que trazíamos nos pés!

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

As varandas esculpidas, no andar superior da torre principal, são lindíssimas, e o complexo forma um conjunto harmonioso, mas as nuvens e neblina não ajudavam a enquadrar o templo no contexto das montanhas que o rodeiam, pois só tivemos alguns momentos de sol envergonhado durante a nossa visita.

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

Depois de sair do templo, voltamos a cruzar o Vale das Maças de regresso a Jeori. Aí, e de volta à estrada principal, apanhámos outro autocarro, desta vez em direcção a Shimla.

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

Dicas

  • Há vários autocarros por dia de Rekong Peo para Shimla. Os autocarros começam às 5h da manhã e seguem-se a todas as horas. Todos os autocarros param em Jeori (3h30 de viagem).
  • Qualquer autocarro que faça a ligação entre Shimla e Rekong Peo pára em Jeori. Pode apanhar esses autocarros na estrada no centro da cidade.
  • Para chegar de Jeori a Sarahan é necessário apanhar um autocarro, riquexó ou táxi para fazer os 17 km que as separam. O táxi, ida e volta, com tempo de espera no templo, custou-nos 1000 rupias.

ESTRADA ENTRE SARAHAN E SHIMLA

A viagem era longa e a chuva não deu tréguas. Durante o percurso abateu-se sobre nós uma chuva intensa. Eram as monções a chegar com toda a força. Foram quase oito horas de viagem, ao contrário das cinco que estavam previstas. A estrada encheu-se de terra, lama e água. As árvores esvoaçavam ao sabor do vento.

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

O autocarro onde seguíamos nem sequer tinha pára-brisas! Que loucura! Água, lama, terra, pedras, tudo escorria vertente abaixo e estávamos mesmo a ver quando éramos os seguintes.

O nosso motorista usava e abusava da buzina, que emitia uma longa série de sons estridentes. Estávamos definitivamente de volta à Índia. A viagem foi longa, muito longa, e só chegámos a Shimla já de noite. Chovia torrencialmente, e só descansámos quando o táxi que apanhámos nos deixou à porta do hotel Gulmag Regency. No dia seguinte, exploraríamos esta cidade emblemática criada pelos ingleses para fugir ao calor das planícies indianas.

SHIMLA

O tempo em Shimla estava extremamente chuvoso, com uma neblina constante que não deixava entrever quase nada da paisagem circundante. Aproveitámos os intervalos entre a chuva para visitar as principais atracções da cidade, nomeadamente os seus mercados e o centro histórico, onde se destaca a Christ Church, de 1846.

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

A principal via nesta zona é o “The Mall”, uma avenida pedonal de 7 km de comprimento, onde se distribuem as lojas e os edifícios mais emblemáticos, como a Câmara Municipal (Town Hall), o Posto de Correios (Post Office) e o edifício da administração dos caminhos-de-ferro (Railway Board Building).

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

Podíamos ter feito mais umas caminhadas (por exemplo, até ao templo Jakhu, em honra do deus Hanuman), mas o tempo não estava propício. Acabámos por recolher ao hotel, até porque nesse mesmo dia tínhamos marcada uma das viagens míticas de comboio na Índia, o “Toy Train”, entre Shimla e Kalka.

Dicas

  • Ficamos alojados no Hotel Gulmag Regency, no centro de Shimla. O hotel fica a poucos metros a pé do The Mall mas tem a vantagem do táxi nos poder levar lá, já que nos 7 km do The Mall o trânsito não passa. O hotel tem restaurante e a comida é maravilhosa. Pedimos um “butter chicken” com “naan” para o quarto e lambuzámo-nos.
Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

TOY TRAIN

Apanhámos o Toy Train, um pequeno comboio que liga Shimla a Kalka, num trajecto de 96 km, que atravessa 102 túneis e 988 pontes. Saímos de Shimla da parte da tarde e, embora tivessemos feito parte da viagem já de noite, a chuva de monção tornou a paisagem extremamente bela ao atravessarmos a floresta verdejante.

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

Dicas

  • Os bilhetes do Toy Train estão incluídos no India Rail Pass.
  • Não há classes no Toy Train, só uma mini carruagem.
  • Há vários Toy Trains por dia de Shimla em direcção a Kalka.
Número do comboioNome do comboioHora de partidaHora de chegada
52456Himalayan Queen10:30 AM4:05 PM
52458KLK SML2:25 PM8:10 PM
52452Shivalik Dlx Exp5:40 PM10:20 PM
52454Kalka Shimla Exp6:15 PM11:15 PM
72452Rail Motor11:30 AM4:25 PM
  • De Kalpa a Shimla também há vários Toy Trains por dia.
Número do comboioNome do comboioHora de partidaHora de chegada
52457KLK SML Pass4:00 AM9:15 AM
52451Shivalik Dix Exp5:30 AM10:15 AM
52453Kalka Shimla Exp6:00 AM11:00 AM
52455Himalayan Queen12:10 PM5:20 PM
72451Rail Motor11:35 AM3:40 PM
Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

A nossa viagem pelos Himalaias indianos tinha chegado ao fim. Iniciava-se uma nova fase da nossa viagem pela Índia, explorando a parte central do subcontinente, nos estados de Maharashtra e Karnataka, visitando locais como Sanchi, Gwalior, Badami e Hampi. Novas aventuras nos esperavam, mas os Himalaias ficaram, novamente, dez anos depois, marcados indelevelmente nos nossos corações. Não sabemos quando, mas um dia voltaremos.

Percorrer o Himachal Pradesh de KALPA a SHIMLA passando por SARAHAN | Índia

Pode ver o video desta aventura aqui

Se vai viajar para a Índia, estes são alguns dos nossos artigos que lhe podem interessar

Se vai viajar para o Rajastão, na Índia, estes são os artigos que lhe recomendamos

  • VISITAR UDAIPUR – Tudo o que precisa de saber para visitar a maravilhosa cidade de Udaipur na Índia e no Rajastão.
  • VISITAR JODHPUR Um artigo cheio de dicas para visitar a cidade azul do Rajastão na Índia.
  • VISITAR JAISALMER – Um artigo cheio de dicas para viajar e visitar uma das cidades do Rajastão com mais carisma e autenticidade.
  • VISITAR JAIPUR – Tudo o que precisa de saber para visitar a maravilhosa cidade de Jaipur e os seus arredores.
  • VISITAR O RAJASTÃO – Um artigo cheio de dicas de sugestões para preparar a sua viagem ao Rajastão na Índia.
  • ONDE DORMIR NO RAJASTÃO – Um artigo com informação prática sobre os melhores alojamentos para ficar a dormir no Rajastão, na Índia.
  • VISITAR BUNDI – Um artigo cheio de dicas extraordinárias para visitar o nosso local preferido no Rajastão, na Índia.
  • VISITAR BIKANER – Um artigo cheio de dicas para visitar a cidade de Bikaner no Rajastão, na Índia.
  • TEMPLO DOS RATOS NA ÍNDIA – Tudo o que precisa de saber para visitar o templo dos ratos em Bikaner na Índia.

Se vai viajar para Querala e no sul da Índia, estes são os artigos que temos aqui no blogue

Se vai viajar na zona dos Himalaias Indianos, estes são os artigos que temos aqui no blogue

  • VISITAR MANALI – Um artigo com tudo o que precisa de saber para visitar Manali e entrar nos Himalaias indianos.
  • VISITAR O VALE DE SPITI – Tudo o que precisa de saber para visitar o Vale de Spiti está, literalmente, neste artigo, cheio de dicas e com a partilha da nossa experiência pessoal.
  • VISITAR KALPA – Um artigo para o ajudar a preparar a sua viagem a Kalpa, onde a Índia se encontra com o Tibete indiano.
  • VISITAR TABO – Tudo o que precisa de saber para visitar a povoação que alberga o maior mosteiro budista do Vale de Spiti.
  • VISITAR KAZA – Tudo o que precisa de saber para visitar Kaza e as aldeias e mosteiros tibetanos do vale de Spiti.

Se vai viajar na Índia e procura dicas para visitar o centro do país veja estes nossos artigos

  • VISITAR CALCUTÁ – Tudo o que precisa de saber para viajar numa das cidades mais desafiantes da Índia.
  • VISITAR PURI – Um artigo cheio de dicas para visitar a cidade hindu de Puri e ver as maiores manifestações culturais do Hinduísmo.
  • VISITAR DELI – Tudo o que precisa de saber para visitar Deli, a capital da Índia.
  • VISITAR SANCHI – Tudo o que precisa de saber para visitar os monumentos budistas e stupa de Sanchi na Índia.
  • VISITAR GWALIOR – Um artigo cheio de dicas para visitar a cidade de Gwalior que é maravilhosa.
  • VISITAR BOPHAL – Um artigo sobre a cidade de Bhopal e a sua tradição milenar nas rotas da seda e das especiarias.
  • VISITAR BIJAPUR – Um artigo cheio de dicas para visitar uma cidade incrível na Índia, Bijapur, no centro do país.

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube


SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

Bem-vindos ao Viajar entre Viagens! Junte-se a esta comunidade e subscreva a nossa newsletter mensal. Uma vez por mês irá receber um email com todas as novidades do blogue e das redes sociais, tais como novos artigos, viagens, projectos e vídeos no youtube.

Irá receber um email com um link para confirmar a sua subscrição.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. É uma forma de valorizar o nosso trabalho.

Resultado de imagem para hotel icon Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Local Tourism Svg Png Icon Free Download (#343998 ...  Marque os seus bilhetes nos monumentos e tours, evitando filas usando o Get Your Guide. Para tours use também o a Civitatis ou o Viator.

Imagem relacionada  Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Resultado de imagem para car icon  Alugue carro usando o AutoEurope  ou o RentalCars, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar.

Resultado de imagem para saúde icon  Faça seguro de viagem na Iati Seguros ao menor preço do mercado e com seguros especializados para viajantes. Se usar este link gozará de 5% de desconto.

Resultado de imagem para livro icon  Se procura viagens de mergulho, encontre as melhores opções no LiveAboard.

Resultado de imagem para dinheiro icon Usamos o cartão WISE para levantar dinheiro em viagem sem taxas. Se usar este link, poderá pedir o seu cartão Camera Icon - Free Icons  Veja todo o equipamento fotográfico e gadjets que usamos no nosso perfil no site da Amazon. A lista individual do equipamento que levamos em viagem pode consultar aqui. . Material de fotografia do Viajar entre Viagens.

Este blogue contém links de programas de afiliados.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.