À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (é verdade) | EUA

À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
Quando disse aos meus amigos que na Páscoa ia para Nova Iorque eles exclamaram logo: “Nova Iorque? Mas lá não tem glaciares!”. Não, a verdade é que Nova Iorque, no Central Park, não tem glaciares, mas… já teve!
Sim, por incrível que possa parecer, eu também fui a Nova Iorque para ver “testemunhos” das glaciações e dos glaciares que outrora deslizavam pela ilha de Manhattan. Parece impossível, não parece? Mas, a verdade é que não é.
 
À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
 

UM POUCO DE GEOMORFOLOGIA DO CENTRAL PARK

O Central Park, em Nova Iorque, oferece um dos locais mais acessíveis do mundo para observar paisagens glaciadas. A área onde hoje se localiza o maior e mais emblemático parque da cidade foi moldado por gelo glaciar que erodiu as rochas metamórficas criando exemplos clássicos de formas glaciares como rochas moutonnées (rochas aborregadas), rochas estriadas e polidas, sulcos glaciares, blocos erráticos, etc.
 
À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
 
Durante as glaciações do Quaternário, Manhattan estava na direcção da margem sudeste de um grande manto de gelo que vinha desde o Árctico até esta área dos EUA, e foi glaciada em diversas ocasiões ao longo dos últimos milhões de anos. O estado de Nova Iorque marcava o limite meridional do manto de gelo que ocupava grande parte da América do Norte. Este manto de gelo – Laurentide –  avançou e recuou durante mais de 90 mil anos.
 
À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
 
Os geólogos acreditam que o manto de gelo iniciou a sua viagem em direcção ao sul de Labrador há 90.000 anos atrás, e atingiu o seu máximo há cerca de 70.000 anos atrás, formando a moreia de Ronkonkoma, em Long Island. Durante um período de calor retrocedeu e, posteriormente, avançou mais uma vez há 45.000 anos, chegando a Nova Iorque há cerca de 20.500 atrás, formando o Harbor Hill Moraine. Começou o seu retrocesso há cerca de 18.000 anos. Os cientistas estimam que em Nova Iorque a camada de gelo foi de 1.000 metros de espessura (nas Montanhas de Adirondacks terá tido mais de 5.000 metros de espessura e, talvez, 10.000 metros de espessura em Labrador).
 
À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
 
Este manto de gelo teve um impacto não só na cidade de Nova Iorque mas também mais ao norte, já que foi responsável pelo  aprofundar do leito do vale do Rio Hudson, transformando-o no fiorde glaciar mais meridional do Hemisfério Norte. 
 
À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
 
No Último Máximo Glaciar (LGM), há 22 mil anos atrás, os gelos terão ocupado uma área que ia desde o sudeste de Alberta, no Canadá, passando pelos Grandes Lagos (perto de Chicago) e até a costa leste. Na última Idade do Gelo, na glaciação Wisconsin,  na ilha de Manhattan, o gelo chegava perto de Perth Amboy e Long Island. Só há 20 e 17 mil anos atrás, o gelo começou a recuar, expondo as superfícies rochosas glaciadas de Nova Iorque, algumas das quais hoje ainda preservadas no Central Park e ao longo da ilha de Long Island.
 
À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
Os rios Connecticut e Hudson (em Nova Iorque) constituíam típicas paisagens proglaciares, com planícies de outwash e blocos de moreias que mais tarde dariam origem a Long Island. Os avanços e recuos sucessivos dos glaciares em Long Island deixaram uma série de moreias de retrocesso, nomeadamente em Sands Point, Oyster Bay, Northport e Stony Brook. Nesta altura, a água do mar estava presa ao gelo, o que resultou numa diminuição do nível do mar em cerca de 100 m. Toda esta paisagem foi então esculpida pelos glaciares, que quando recuaram deixaram moreias, lagos e lagoas, turfeiras, rios de água de fusão glaciar e vales, blocos erráticos e diversas morfologias de pormenor.
 
No final da última Era Glaciar – Wisconsin – ocorreram mudanças climáticas extremas e registou-se um aquecimento global desde há 10.000 anos. A vegetação mudou e tornou-se mais densa e exuberante. Nova Iorque e Long Island pouco mudaram desde os tempos em que os glaciares por aqui estiveram (pelo menos em termos geomorfológicos). Mas, em termos humanos, a cidade viu crescer prédios gigantescos que mascararam a sua história glaciar. No entanto, em Central Park tudo está disponível para ser analisado pelos olhos mais atentos. As jovens raparigas correm nos trilhos do parque e descansam encostadas aos blocos erráticos transportados há milhares de anos pelo gelo glaciar desde o Árctico; os namorados trocam promessas de amor eterno sentados nas rochas aborregadas, deixando mensagens de amor gravadas na rocha polida; as crianças brincam nos sulcos glaciares expostos nas rochas; famílias conversam e brincam nas margens dos lagos glaciares. Muito mudou em termos humanos em Nova Iorque, mas em termos geológicos, Nova Iorque continua a ser um testemunho fiel dos glaciares e do seu poder intemporal.  
 
À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
 
À procura de glaciares no CENTRAL PARK em Nova Iorque (sim, é verdade) | EUA
 

Marque aqui as suas tours e passeios na cidade

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

Resultado de imagem para hotel icon Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Resultado de imagem para tourism iconMarque os seus bilhetes nos monumentos e tours, evitando filas usando o Get Your Guide.

Imagem relacionada  Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Resultado de imagem para car icon  Alugue carro usando o RentalCars, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar.

Resultado de imagem para saúde icon  Faça seguro de viagem na Iati Seguros ao menor preço do mercado e com seguros especializados para viajantes. Se usar este link gozará de 5% de desconto.

Resultado de imagem para livro icon  Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

 Este blogue contém links de programas de afiliados.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.