Dia 37 – Cruzando as estepes infindáveis do Cazaquistão, de Almaty a Ayagoz 🇰🇿 | Crónicas do Rally Mongol

Dia 37 - Cruzando as estepes infindáveis do Cazaquistão, de Almaty a Ayagoz 🇰🇿 | Crónicas do Rally Mongol

Levantámo-nos cedo, e tomámos o pequeno-almoço no nosso hotel em Almaty. O dia que tínhamos pela frente iria ser longo, e não tínhamos certezas quanto à qualidade das estradas no Cazaquistão. Tínhamos falado com algumas pessoas, e sabíamos que a estrada até Taldykorgan (cerca de 250km) era auto-estrada de boa qualidade. Quanto ao resto, as pessoas diziam que a estrada era má.

Não tínhamos assim qualquer certeza. Como ia ser a estrada, quanto tempo demoraria, onde ficaríamos a dormir. A única certeza era que iríamos atravessar as estepes do Cazaquistão. O nosso objectivo era chegar o mais longe possível, de forma a chegarmos à fronteira com a Rússia talvez no dia seguinte.

Num país das dimensões do Cazaquistão (cerca de 30 vezes maior do que Portugal), o conceito de distância depende crucialmente do factor tempo. Como estávamos escaldados das estradas da Arménia, Turquemenistão e Tajiquistão (junto à fronteira com o Afeganistão), tínhamos receio que a má qualidade das estradas cazaques nos pudesse atrasar o itinerário planificado.

Felizmente, tudo correu pelo melhor. Optámos pela estrada que por oeste do Lago Balkash. Até Taldykorgan, confirmou-se o que nos tinham dito. Mas depois, apesar de já não ser auto-estrada, o tapete asfaltado continuou a ser de boa qualidade e conseguimos percorrer muitos quilómetros. Durante a viagem, a paisagem é impressionante pela sua imensidão e planura. O Cazaquistão foi encarado, desde a criação da URSS, como uma terra distante e agreste, mas também cheia de oportunidades.

Nos anos trinta do século passado, os povos nómadas autóctones foram sedentarizados à força pelo regime comunista e, nos anos cinquenta, seguiu-se a mobilização de centenas de milhares de pessoas para transformar as estepes do Cazaquistão no celeiro da URSS. Ainda hoje, o cultivo de cereais é uma das principais fontes de rendimentos e de exportação do país.

Pelo caminho, testemunhámos que estas terras continuam a ser uma fonte de riqueza inestimável, e cruzámos a linha ferroviária que vai de Almaty até Urumqi, na China, percorrida por comboios dezenas de vagões de carga.

A fome apertava, por isso decidimos parar para almoçar, numa pequena localidade à beira da estrada. Só existiam meia dúzia de casas e uma bomba de gasolina. Apesar do aspecto do restaurante não ser o melhor, a verdade é que comemos um óptimo shashlik de frango.

Continuámos caminho e perdemo-nos na imensidão do Cazaquistão. Ao final da tarde, quase noite, decidimos pernoitar na localidade de Ayagoz. Escolhemos um hotel simpático, com bons quartos e com uma casa de banho comum com uma sauna em anexo. Não chegámos a utilizar a sauna, mas o banho de chuveiro foi um dos melhores da viagem.

Ao jantar, experimentámos o prato nacional do Cazaquistão, beshbarmak, que quer dizer “cinco dedos”, uma vez que os povos nómadas comiam este prato com as mãos. Servido num prato grande para todos, a carne de cavalo e de cordeiro é cozida e cortada em pequenos pedaços e servida com noodles, acompanhada de um caldo de carne chamado shorpo. Foi uma óptima forma de acabar o dia, apreciando a gastronomia local.

A noite não acabou sem antes eu ter sido forçado, fruto de uma aposta mal sucedida com o Carapau Oliveira, a comer um iogurte muito azedo, que servia de acompanhamento ao prato principal, porque, apesar de portuense, não sabia que a santa padroeira do Porto é a Nossa Senhora da Vandoma. Desta, nunca mais me esqueço!

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

      Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

 Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Alugue carro usando o Rent a Car, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar. Tudo na comodidade de sua casa.

      Faça seguro de viagem na World Nomads ao menor preço do mercado.

     Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.