O melhor da ILHA DO FOGO – Subir ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

O melhor da ILHA DO FOGO - Subir ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

No nosso segundo dia na Chã das Caldeiras, o nosso objectivo era a ascensão ao cume do vulcão Fogo, a 2829m de altitude, o chamado Pico de Fogo. A história do vulcão confunde-se com a história da ilha, tanto nos seus primórdios, como nos seus tempos de ocupação humana, e percebê-la é compreender a própria ilha. A dimensão da caldeira é gigantesca, em forma de hemiciclo (a que falta o bordo oriental), com cerca de 8 km de comprimento e com paredes (também conhecida como bordeira) que atingem um máximo de 1000m em relação ao chão da caldeira. A bordeira actual é então como um fóssil do vulcão primordial, que se ergueria cerca de 4000m acima do mar, ocorrendo há alguns milhares de anos um colapso gigantesco, truncando o vulcão, criando a caldeira e arrastando meia ilha para o mar. A caldeira continuou intensamente activa, inclusive durante os tempos da primeira ocupação pelos portugueses, tendo a morfologia actual resultado do enchimento da caldeira com lavas e piroclastos, culminando na formação do cone eruptivo principal, o Pico do Fogo, que terá crescido até à sua última erupção, no final do século XVIII. Desde então, a cratera cimeira do Pico silenciou-se, e todas as erupções se deram no chão da caldeira, ou na parte mais baixa da vertente do Pico. O geógrafo Orlando Ribeiro foi um dos que mais contribuiu para o conhecimento da ilha do Fogo, tendo estudado com detalhe a erupção de 1951.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

A subida ao vulcão Fogo

Era este terreno maravilhoso que queríamos conhecer. Teríamos como companhia o nosso anfitrião e guia de ascensão, Alcindo, e o início seria necessariamente cedo pois o percurso iria ocupar grande parte do dia. A subida demora, normalmente, entre 3 a 5 horas, e, para o caminho de volta tínhamos duas opções. Podíamos descer pelo mesmo caminho de subida, um percurso mais rápido, mas escolhemos fazer a descida mais a sul, um percurso mais longo, mas com um bónus: passaríamos pelo Pico Pequeno (2023m), local da erupção de 1995, e, logo ao lado, o cone ainda fumegante da erupção de 2014-2015. O percurso seria assim muito mais interessante e revelador, abarcando uma experiência completa do vulcão e da sua caldeira.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Tomámos o pequeno-almoço, preparado pela Letícia, às 6 da manhã, e às 6.30h, iniciámos o nosso percurso. Quando nos levantámos, o céu estava limpo, mas quando acabámos o pequeno-almoço, a neblina tinha subido desde a zona de Mosteiros, junto ao mar, até à Chã das Caldeiras. O vulcão, esse, continuava acima das nuvens, mas a neblina poderia estragar a visão da caldeira. Tínhamos de confiar que, durante a manhã, a neblina dissipar-se-ia.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

A parte inicial do percurso é feita numa estrada de terra batida (ou melhor, lava batida), que liga Portela ao extremo norte da caldeira. Aí, a estrada liga com um percurso descendente a pique, que termina na povoação de Achada Grande, sobranceira ao mar. Mas o nosso percurso não era esse, e sendo assim, abandonámos a estrada para começar a subir a vertente do vulcão, inicialmente com um declive pouco acentuado. A neblina continuava a cobrir a Chã das Caldeiras e, apesar de não conseguirmos ver as localidades e o terreno ocupado pela lava, a visão era magnífica: o sol nascente iluminava a bordeira, emprestando-lhe tons laranjas vivos, contrastando com o branco, em baixo, da neblina.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Juntamente connosco tinha saído um casal de jovens, e um grupo de franceses de meia-idade, e a presença humana apenas engrandecia ainda mais a escala do vulcão face às formigas que subiam a sua vertente. O casal foi subindo com um ritmo rápido e o grupo foi ficando para trás de nós, o que nos permitia tirar fotos com a escala humana, tanto para cima, como para baixo.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

O Alcindo era muito simpático, ia falando connosco sobre os mais diversos assuntos, e mantinha um ritmo certo, nem demasiado rápido, nem lento. Assim, o tempo (e a subida) parecia passar mais depressa. O trilho foi sempre em terreno cascalhento, e tínhamos de ter cuidado onde púnhamos os pés, para não escorregarmos, e para não fazermos resvalar pedras que podiam magoar pessoas atrás de nós. Mais à frente, a vertente era mais inclinada e subimos por uma crista. O perigo de queda de pedras era maior, e redobramos os nossos cuidados. Em certos pontos, era necessário usar as mãos para ultrapassarmos alguns blocos e continuarmos na subida. Paramos algumas vezes para comer uma barra energética, ou para beber água. A crista era longa e a ascensão era mais dura neste troço. Mas o bordo da cratera do vulcão já estava à vista e isso dava-nos ânimo para essa parte do percurso.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Finalmente, passadas 4 horas de termos saído da Casa do Alcindo, chegámos à borda da cratera. A cratera tem cerca de 200m de desnível e é impressionante. O terreno está pintado com os tons amarelos do enxofre e em algumas zonas notam-se pequenas fumarolas, lembrando que o Pico de Fogo, apesar de não ter erupções desde o século XVIII, continua a ser um vulcão activo. Sentámo-nos a descansar e a apreciar a paisagem.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Esperámos também pelo grupo de franceses e, depois de eles chegarem, ficámos à conversa com os dois guias que os acompanhavam. A conversa inevitavelmente desembocou no panorama político nacional, pois Cabo Verde tinha tido eleições legislativas há poucos dias, e os cabo-verdianos pareciam ter grandes esperanças na mudança de governo, já que o PAICV (Partido Africano da Independência de Cabo Verde) se mantinha no poder há já 15 anos, tendo sido substituído pelo MPD (Movimento para a Democracia). Esperemos que os políticos saibam honrar e respeitar o povo cabo-verdiano, que bem merece a continuação da construção de uma nação que, comparada com os seus vizinhos da costa ocidental africana, é um paraíso de estabilidade e desenvolvimento.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Naquele ponto, a visão da cratera era magnífica, mas a visão da caldeira e do resto da ilha não era totalmente desimpedida. Uma última crista ainda nos tapava a visão, e a neblina teimava em tapar o nosso campo de visão para a Chã das Caldeiras e para o mar. Mas, enquanto estávamos à conversa, a neblina deu-nos tréguas e finalmente tivemos a visão do mar e da zona de Mosteiros, a norte. Era também visível a ilha de Santiago, a cerca de 50 km de distância a leste do Fogo. Mas para se ter uma visão totalmente desimpedida para o resto da caldeira, era imprescindível subir o resto e chegar ao cume do vulcão Fogo.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Despedimo-nos do grupo de franceses (que iriam descer pelo mesmo caminho), e subimos a última crista que nos separava do cume. A subida era um pouco mais técnica, e, por segurança, existe um cabo de aço que nos ajudou mais psicologicamente do que fisicamente, já que a verticalidade do lugar é acentuada, tendo toda a vertente do vulcão aos nossos pés e, mais ao longe, a descida até ao mar. Depois de alguns minutos, estávamos no cume do vulcão Fogo!

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Dali, a visão da caldeira era realmente deslumbrante, com um ângulo de visão superior a 180o. Era possível ver os telhados das casas da Portela e Bangaeira enterradas pela lava, e distinguir pela cor a lava das sucessivas erupções de 1951, 1995 e 2014, para além de outras mais antigas. Viam-se também numerosos pequenos cones, sinais da intensa actividade vulcânica da caldeira nos últimos séculos. Era uma visão de outro mundo. A ilha Brava saudava-nos à distância (ficava prometida para uma próxima oportunidade), e só não se via o resto da ilha do Fogo porque as paredes da caldeira e da cratera nos impediam de ter uma visão integral de tudo o que nos rodeava. Para isso, teríamos de fazer um percurso pela borda da cratera e pela bordeira. Mais uma promessa para uma próxima visita à ilha do Fogo.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

A descida

Estava na altura de começar a descer. A parte inicial da descida era bastante íngreme, com um troço também equipado com um cabo de aço, e foi feita por entre cristas de rocha vulcânica. Descemos em direcção sudoeste, deixando para trás a cratera e a visão de Mosteiros. Para a frente tínhamos uma visão privilegiada da parte sul da caldeira e do Pico Pequeno, o cone formado aquando da erupção de 1995. Mas ao lado, destacava-se ainda mais o cone recentemente formado, durante a erupção do vulcão Fogo de 2014-2015.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Mais abaixo, as cristas de rochas na vertente davam lugar a uma extensão de cinzas e lapilis, material de fina dimensão resultante da fragmentação das rochas. A maneira mais rápida e divertida de descer a vertente inclinada era, pura e simplesmente, correr como se estivéssemos a descer uma duna de areia do Sahara! O cone e a cratera de 2014 estavam mesmo abaixo de nós, mas, o que parecia perto, estava, na realidade, ainda bastante longe.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Corremos e corremos, até ficarmos cansados, e o cone parecia ainda distante, mas, finalmente, chegámos até à cratera, tendo feito um desnível de aproximadamente 600 m. A cratera de 2014 tem várias aberturas, sendo uma delas mais acima na vertente. O cone, mais abaixo, formado pela expulsão de material, rodeava três aberturas ainda fumegantes. O cheiro a enxofre era intenso, e pedras retiradas da sua borda estavam tão quentes que não conseguíamos segurar nelas mais do que alguns instantes. Era uma zona claramente ainda em rescaldo de uma erupção que tinha terminado apenas há pouco mais de um ano.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Dali, o percurso até à povoação foi feito por entre colinas arenosas, onde ponteavam rochas e lava, com formas encurvadas resultante do movimento fluido antes da solidificação. Ao longe, a bordeira erguia-se aparentemente na vertical em relação ao chão da caldeira. Senti-me num planeta que não o nosso, um planeta com ar respirável, mas sem qualquer sinal de vida. Mas, tal como no futuro a humanidade poderá colonizar outros planetas, também naquele cenário apareciam sinais da perseverança e inventividade humana. Perto da Portela, passámos por vinha, plantações de tomates, ervas aromáticas e batata. Ali, naquela terra cujas entranhas se revoltam, recria-se o passado longínquo do nosso planeta, e encena-se o futuro da humanidade, fora do Planeta Terra. A luta pelo início da vida foi, e sempre será assim, na nossa própria casa ou fora dela: frágil e preciosa, passo a passo, contra todas as probabilidades, a vida prevalece, num dos milagres maravilhosos da Natureza.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Já na povoação, regressámos à Casa do Alcindo, tomámos banho para tirar a poeira que nos cobria dos pés à cabeça, e aproveitámos para descansar um pouco antes do jantar. Preparado pela Letícia, comemos uma deliciosa massa com atum estufado, e até tivemos direito a mousse de chocolate de sobremesa! Tudo acompanhado com música ao vivo, pois os irmãos e amigos do Alcindo vieram até sua casa para um serão bem passado, a cantar e dançar. Num local onde há acesso à internet, mas onde os telemóveis e computadores não abundam, as relações mantêm-se fortes como no passado, e as circunstâncias difíceis aproximam as pessoas, pois todos sentem que, para construir o futuro e enfrentar as adversidades, a união faz a força.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

Mas a festa não podia durar até muito tarde. O dia seguinte seria um novo dia e todos tinham de descansar. O gerador que nos dava energia eléctrica desligar-se-ia às onze da noite. O céu estrelado e a esplendorosa Via Láctea seriam as únicas luzes a iluminar o chão da Chã das Caldeiras. Regressámos ao nosso quarto. Olhei pela janela; o Pico do Fogo erguia-se imponente, como sempre. Imóvel, imutável, mas só aos nossos olhos mortais. Esta terra, o nosso planeta, está sempre em mutação. Vive, respira, zanga-se, amua, e tem o poder de criar vida e de destruí-la. Nós estamos apenas de passagem. O melhor que podemos fazer é apreciar aquilo que nos é dado experienciar. E é isso que continuaremos a fazer.

Ilha do Fogo - Ascensão ao cume do vulcão Fogo | Cabo Verde

PROCURE AQUI ALOJAMENTO NA ILHA DO FOGO

Onde dormir: 

  • Casa do Alcindo (Chã das Caldeiras): Ficámos hospedados na Casa do Alcindo, na Chã das Caldeiras durante duas noites. O Alcindo trabalha como guia e foi ele que nos acompanhou até ao cume do vulcão Fogo. A Casa ainda está em construção mas já tem boas condições. O quarto duplo custa 3500 escudos/noite com pequeno-almoço. O Alcindo serve também os jantares que custa 700 escudos/pessoa.
  • Hotel Portas do Sol (São Filipe): Em São Filipe escolhemos um alojamento barato, embora um pouco longe do centro da cidade. Tínhamos que caminhar cerca de 15 minutos para chegar ao centro de São Filipe. O hotel tem uma vista privilegiada sobre a praia e uma bela piscina. Os quartos duplos são pequenos apartamentos com cozinha, casa-de-banho e varanda. Da piscina e da praia há para a ilha da Brava. Reserve aqui.

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

Resultado de imagem para hotel icon Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Resultado de imagem para tourism iconMarque os seus bilhetes nos monumentos e tours, evitando filas usando o Get Your Guide.

Imagem relacionada  Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Resultado de imagem para car icon  Alugue carro usando o RentalCars, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar.

Resultado de imagem para saúde icon  Faça seguro de viagem na Iati Seguros ao menor preço do mercado e com seguros especializados para viajantes. Se usar este link gozará de 5% de desconto.

Resultado de imagem para livro icon  Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

 Este blogue contém links de programas de afiliados.

8 Comentários

  1. […] Caldeiras. Um guia de montanha muito experiente, que a minha companheira de viagens, Carla Mota, conhecera numa viagem anterior. Abraçaram-se como só os velhos amigos sabem fazer – e nesse momento soube que se algum dia […]

  2. Pedro Canais diz: Responder

    Obrigado, Rui. A descrição é notável.

    1. Carla Mota diz: Responder

      Obrigada, Pedro.

  3. Joao Dimingos diz: Responder

    Muito obrigado Sr. Rui pela divulgaçao da nossa magica ilha.

    1. Carla Mota diz: Responder

      Obrigada, João.

  4. Tão linda, quero ir para lá.

    1. Carla Mota diz: Responder

      Vai mesmo. É de outro mundo.

  5. Tão linda, quero ir para lá.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.