GLACIAR VIEDMA, fazer escalada de gelo nos glaciares | Argentina

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina
Com uma parede de gelo com cerca de 40 m, o Viedma é o glaciar mais importante do sector norte do Parque Nacional Los Glaciares. Embora a maioria dos viajantes não visite este sector para apreciar a beleza singular do glaciar, a verdade é que do ponto de vista da glaciologia o Viedma é perfeito.
O Viedma é o maior glaciar argentino e o segundo maior glaciar da América do Sul, logo depois do Pio XI, no Chile. O glaciar apresenta cerca de 25 km de comprimento e 2,3 km de largura numa massa aproximada de 945 km2.

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | ArgentinaGLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

O acesso ao glaciar é relativamente fácil já que pode ser alcançado por barco ou num trek de dois dias a partir de El Chaltén. A aproximação por barco permite apreciar a beleza da parede terminal do glaciar exibindo esta uma tonalidade muito mais azulada na margem esquerda. Esta situação deve-se às enormes pressões que o glaciar infringe sobre uma área rochosa compactando o gelo. O glaciar Viedma trata-se de um glaciar continental, o que significa que cobre uma área bastante extensa do continente sul-americano e flui por acção do seu próprio peso, criando assim o movimento do glaciar.

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

Todos os glaciares estão em movimento e este movimento resulta da pressão exercida pela acumulação de neve e gelo na parte inicial do glaciar.

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

O local onde o glaciar incorpora massa é designado de área de acumulação. Esta área é determinante para que o glaciar continue em crescimento. Quando o glaciar deixa de acumular neve e gelo passa para a área de ablação. Esta corresponde à parte do glaciar onde a perda de água é mais elevada do que a acumulação. As duas áreas estão separadas pela chamada linha de equilíbrio.
GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | ArgentinaOs glaciares perdem massa essencialmente devido à evaporação, sublimação e degelo. O degelo do glaciar no seu topo permite o aparecimento de lagos temporários. Muitas vezes eles voltam a congelar.GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

O degelo superficial também produz o aparecimento de buracos no gelo por onde a água escorre até alcançar a base do glaciar. Estes buracos são designados por mullins ou sumidouros.
GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

Esta água vai fluindo por baixo do glaciar até alcançar a sua frente e alimentar o lago que se encontra a jusante. O lago Viedma tem esta génese, assim como o lago Argentino no Perito Moreno.
GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | ArgentinaNo entanto, os glaciares “calving”, como é o caso do glaciar Viedma, perde também massa devido ao desprendimento de grandes blocos de gelo da parede frontal. Estes desprendimentos vão criar icebergs (designados por tempanos em espanhol) que vão derivando pelos lagos glaciares.GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina
Quando um glaciar acumula a mesma quantidade de gelo que perde considera-se que o glaciar está em equilíbrio. É o caso do glaciar Perito Moreno, que no último século tem apresentado pequenas variações no seu volume de gelo. Já o glaciar Viedma, tal como a esmagadora maioria dos glaciares argentinos, tem perdido massa. Isto significa que o glaciar está em retrocesso, ou seja perde mais massa por ablação do que aquela que acumula. O glaciar Pio XI é um glaciar que acumula mais do que o que vai perdendo na área de ablação. Isto significa que o glaciar está a avançar.GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina
Ao movimentarem-se no vale, a base do glaciar produz uma forte abrasão com a rocha e, os sedimentos transportados no fundo do glaciar vão erodindo as rochas, deixando marcas visíveis da sua passagem.GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina
As partículas mais finas provocam o polimento das rochas e os calhaus maiores estrias e sulcos. O retrocesso do glaciar deixa a descoberto estas marcas na paisagem.GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina
Locais onde os glaciares estiveram há cerca de 14 000 anos atrás conservam estas formas nas rochas e permitem ao geomorfólogo conhecer o comportamento do glaciar. No caso do glaciar Viedma, estas marcas são tão evidentes e frescas que basta sair do barco nas imediações do glaciar para “tropeçar” nas morfologias de pormenor que o glaciar deixou nas rochas circundantes.

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

No entanto, o movimento do glaciar faz-se a um ritmo diferenciado na base e no topo. Devido à forte abrasão na base e na parte lateral, o glaciar move-se mais rapidamente no topo e no centro. Esta situação provoca o aparecimento de várias morfologias no gelo. As mais comuns são as crevasses, fendas estreitas e profundas que se vão abrindo e fechando com o movimento do glaciar.GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina
Estas crevasses são extremamente perigosas para quem se desloca sobre esta massa de gelo já que muitas vezes estão cobertas por neve e não se vêem.GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina
As crevasses podem produzir um desnível e assim originam-se paredes de gelo no seio do glaciar designadas por seracs. Também estas são extremamente perigosas porque podem ruir a qualquer momento.
Penetrando no glaciar Viedma, todas as formas glaciares são bem visíveis. Abundam crevasses por toda a frente glaciar, inclusive na parede frontal.
GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | ArgentinaO glaciar parece completamente recortado. Algumas crevasses evoluíram para seracs e é nessas paredes de gelo que é possível fazer escalada no gelo.GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina
Graças às técnicas de escalada foi-me possível descer ao fundo de algumas crevasses e presenciar o imenso azul do gelo nestes locais. Algumas áreas parecem pintadas com tinta tal a intensidade da cor.

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

O glaciar Viedma exibe também algumas formas de pormenor bastante interessantes como grutas, arcos e buracos.

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

Outras das formas extremamente interessantes que aqui se podem ver são os chamados cones de ablação, montículos de sedimentos em forma cónica, que resultam da sublimação rápida da água.

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

Caminhar e explorar o glaciar Viedma foi um sonho tornado realidade. Pisar um dos glaciares mais importantes da América do Sul, e contudo ainda não estudado, foi um privilégio. Não consigo esconder o meu entusiasmo e tiro mais de 1000 fotografias. Um exagero? Talvez, mas quem sabe no futuro estas fotografias poderão ser alvo de algo mais importante.

GLACIAR VIEDMA, Caminhar e fazer escalada de gelo numa viagem ao mundo dos glaciares | Argentina

Marque aqui os seus tours e passeios

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

Resultado de imagem para hotel icon Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Resultado de imagem para tourism iconMarque os seus bilhetes nos monumentos e tours, evitando filas usando o Get Your Guide.

Imagem relacionada Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Resultado de imagem para car icon Alugue carro usando o RentalCars, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar.

Resultado de imagem para saúde icon Faça seguro de viagem na Iati Seguros ao menor preço do mercado e com seguros especializados para viajantes. Se usar este link gozará de 5% de desconto.

Resultado de imagem para livro icon Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

3 Comentários

  1. Parabéns pelo blog, estou retornando a patagônia e fazendo novas pesquisas!

    Grande abraço de um amante de fotografias e de viagens como vocês!

    Felipe – http://www.dicadeviagem.com

  2. Olá Isabela,

    O Perito Moreno é um glaciar impressionante mas penso que é mais bonito vê-lo das passadeiras ou do barco. Não vale a pena fazer o ice-trekking no Perito Moreno porque é muito mais caro do que o Viedma. O Viedma é um glaciar belissimo mas para o visitares tens mesmo que fazer o ice-trekking. Eu aconselhava visitarem o Perito Moreno e Ice-trekking no Viedma. Assim conseguem conhecer os dois. E claro, o Viedma é muito mais tranquilo o que a meu ver é uma vantagem.
    Nós fizemos o ice-trekking com uma agência de El Chalten chamada Viva Patagónia. Penso que é a única empresa que tem autorização para desembarcar no glaciar. Nós adoramos.
    Obrigada por gostarem do nosso blog.
    Bjinhos para o Brasil. 🙂
    Carla

  3. Anónimo diz: Responder

    Oi Carla,
    Muito legal o seu blog!
    Estou aqui viajando… literalmente.

    Meu marido e eu estamos indo para a Patagönia em novembro e queremos muito fazer um trekking em algum glaciar. Inicialmente pensamos no Perito Moreno mas depois o Viedma apareceu nas nossas pesquisas.

    Como vamos passar alguns dias em Chalten, estamos optando por ele, acho que deve ser mais tranquilo do que o Perito… enfim.

    Vcs fizeram este trekking com alguma agencia de turismo? Recomendam?

    Muito obrigada e parabéns pelo blog! Os viajantes independentes agradecem.
    Isabela

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.