Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina | Argentina

Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | Argentina

De seu nome Ernesto Guevara, o revolucionário argentino foi para o mundo um exemplo de perseverança, luta e dedicação a um conjunto de ideais. Desde que li “Os diários de uma motocicleta”, em que Guevara relata as suas experiências durante uma viagem pela América do Sul, apaixonei-me pela figura e pelos ideais que representa.

Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | Argentina

Ernesto Guevara nasceu em Rosário, em 1928. A casa onde nasceu é hoje propriedade privada e não pode ser visitada, no entanto, uma tabuleta na rua lembra o seu local de nascimento.

Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | Argentina

O clima de Rosário, no delta do Paraná, é muito húmido e Ernesto tinha asma. Para tentar minimizar os sintomas da doença, os seus pais mudaram-se para Alta Garcia, um bairro de classe média-alta, próximo de Córdoba, quando Ernesto tinha apenas 4 anos.Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | ArgentinaFoi aqui, numa casa hoje convertida em museu, que Ernesto passou a infância e a adolescência. Na casa-museu podem contemplar-se algumas cartas que o jovem escrevia à sua tia, os livros que leu (entre eles Júlio Verne e Freud), ou relíquias dos seus tempos de viajante e revolucionário.Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | ArgentinaErnesto deixou Alta Garcia para ingressar na Faculdade de Medicina de Buenos Aires, mas antes de terminar o curso empreendeu uma das viagens mais famosas na América do Sul. Com o seu companheiro Alberto Granado viajaram numa moto durante 8 meses do ano de 1952. Durante essa viagem, Ernesto contactou com uma realidade muito diferente daquela que vivia em Alta Garcia ou em Buenos Aires. A pobreza que testemunhou na Bolívia ou no Peru viria a marcar completamente a sua visão do mundo, e a definir o seu perfil revolucionário.Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | ArgentinaA famosa moto, La poderosa, avariou a meio da viagem mas os dois companheiros não se deixaram abater e seguiram utilizando transportes públicos e boleias. Ernesto voltaria a Buenos Aires, onde terminou o curso de medicina, ao passo que Granado ficou a trabalhar como médico no Peru. La Poderosa e o mapa desta viagem estão expostos na casa-museu, assim como o diário original que Guevara escreveu.Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | ArgentinaO jovem viajante não se adaptou à vida tranquila. Resolveu empreender outras viagens e foi na América Central, nomeadamente no México, que viria a conhecer Fidel Castro e outros revolucionários, a quem se juntou. Partilhavam o ideal marxista e a busca de um estado socialista. Foi aqui que o apelidaram de CHE, o nome que hoje é o símbolo da liberdade, da luta e da revolução das ideias. Che Guevara participou como revolucionário em guerrilhas em vários países do mundo. No entanto, foi em Cuba, ao conseguirem derrubar a ditadura de Flugêncio Baptista, em 1959, que viria a conseguir a sua grande vitória. Convertido em Ministro da Industria viajou pelo mundo para tentar espalhar o ideal comunista. No entanto, Che, o revolucionário, mesmo casado e com filhos, não se adaptou à vida tranquila. Viria a deixar Cuba e a combater na guerrilha no Congo, na Argentina e na Bolívia. Foi aqui, neste país do coração da América Latina, que viria a encontrar a morte em 1967.Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | Argentina

Assassinado por militares, o seu corpo foi enterrado e só viria a ser recuperado 30 anos depois. Hoje, os seus restos mortais descansam em Santa Clara, em Cuba, e uma telha da casa onde foi assassinado está exposta no museu. Hoje, o seu rosto viaja pelo mundo estampado em milhares de t-shirts. CHE GUEVARA é o herói da revolução.Seguindo os passos de CHE GUEVARA na Argentina e descobrindo um país | Argentina

Marque aqui os seus tours e passeios

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

.

PROGRAME A SUA VIAGEM

  Faça as suas reservas através das parcerias do nosso blogue. Você NÃO PAGA MAIS, nós ganhamos uma pequena comissão. Assim conseguimos manter o blogue com opiniões isentas.

Resultado de imagem para hotel icon Reserve o hotel no Booking.com e encontre as melhores promoções. Reserve e cancele sempre que necessitar.

Resultado de imagem para tourism iconMarque os seus bilhetes nos monumentos e tours, evitando filas usando o Get Your Guide.

Imagem relacionada  Reserve os seus voos com a Skyscanner. Garanta os melhores preços.

Resultado de imagem para car icon  Alugue carro usando o RentalCars, comparando e escolhendo o melhor preço antes de viajar.

Resultado de imagem para saúde icon  Faça seguro de viagem na Iati Seguros ao menor preço do mercado e com seguros especializados para viajantes. Se usar este link gozará de 5% de desconto.

Resultado de imagem para livro icon  Usamos os guias de viagem da Lonely Planet para preparar as nossas viagens. Se faz o mesmo, pode comprá-los online. Sai mais barato e os portes são grátis a partir dos 35€.

 Este blogue contém links de programas de afiliados.

5 Comentários

  1. Camila diz: Responder

    Tinha de ser o brasileiro a falar mal de Che. Que vergonha, compatriota.

    1. Carla Mota diz: Responder

      Não tem a ver com a nacionalidade, apenas com a falta de percepção da história, Camila. Há-os em todas as nações, infelizmente. 😉

  2. Salomé Reis diz: Responder

    Patrick,
    Uma revolução que ocorreu na América latina nos anos 50, protagonizada por um movimento armado e guerrilheiro, cujo foco recai na figura dos irmãos Castro e de Che Guevara, para derrubar, esse sim, um ditador feroz, colaboracionista do terrorismo de estado americano, não me parece nada despropositada. Por outro lado, não se combatia um regime latino americano de então nem se defendia uma revolução com greves de fome ou com manifestações de rua com uma flor na boca, porque o contexto da guerrilha era mesmo este: armas contra armas. Pergunto-lhe ainda: se o Che foi um assassino, então o que foi o tão admirado pelos eurocentristas Winston Churchill? não matou mais gente (civis) que os mencionados guerrilheiros? E não defendia também ele uma causa? Então porquê validar uma causa e reprovar outra?
    Como admiradora de coisas, lugares, pessoas e causas, diria que, devemo-nos saber transportar para a devida época histórica sem cometer anacronismos ou fazer comentários cliché-reducionistas.
    Como geógrafa que sou, e humanista esclarecida, informo-o que o Che Guevara não era psicopata, muito menos sádico e ainda menos um assassino. Foi um grande HUMANISTA!

    1. Carla Mota diz: Responder

      Obrigada, Salomé. Não diria melhor. Ainda nem tinha visto o comentário anterior.

  3. Olá! Sou brasileiro, e tenho um blog de viagens que está só começando, junto com Ariella, minha namorada. Desde ontem, fiquei fascinado com o blog de vocês. Espero um dia chegar perto da metade do nível do Viajar entre Viagens. Meus parabéns, o blog é espetacular.
    É com muito pesar, porém, que vejo um assassino frio, um psicopata sádico como Che Guevara ser exaltado neste espaço. Claro, todos têm direito a opinião, mas defender Che e a é como defender Hitler, Stalin, Pol Pot ou o próprio Fidel. Defender a assim chamada “revolução”, que flagela Cuba há mais de 50 anos, é como defender o nazismo, que na essência é uma dissidência do comunismo. Injustificável. No mais, parabéns pela outra parte de seu trabalho.

Deixe uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.