Explorando Jebel Shams, e alcançando o topo da Arábia Oriental | Omã

Jebel Shams Oman Omã

Jebel Shams, ou Jabal Shams, (que significa “montanha do Sol”) é uma zona montanhosa que faz parte da cadeia montanhosa de Al Hajar, que percorre o norte de Omã, na direcção nordeste-sudoeste, e que separa a planície costeira do planalto desértico. O clima desértico de Omã, especialmente no norte do país, que é atravessado pelo Trópico de Câncer, é responsável por taxas de precipitação muito baixas e temperaturas elevadas ao longo de todo o ano. Ora nas montanhas de Al Hajar, a altitude mais elevada implica temperaturas mais baixas e uma precipitação que, apesar de baixa, é muito maior do que a média do país, o que atrai pessoas em busca de um alívio em relação ao calor e de ar mais fresco. Além disso, e ainda mais importante para muitos, esta cadeia montanhosa exibe algumas das paisagens mais espectaculares de Omã.

Jebel Shams Omã Oman

Sendo Jebel Shams a zona mais elevada da cadeia de Al Hajar, atinge um pouco mais de 3000 m de altitude no seu cume mais elevado. A zona é, ainda assim, facilmente acessível de Mascate, da qual dista apenas 150 km, mas ainda melhor, da cidade próxima de Nizwa. Foi aí que estabelecemos a nossa base para a exploração desta zona montanhosa.

Jebel Shams Omã Oman

Na mesma estrada que vai de Nizwa para Al Hamra, seguimos mais para a frente e chegámos à aldeia de Wadi Ghul e onde começa (ou acaba) o vale homónimo extremamente profundo e encaixado, que também é conhecido por Grand Canyon da Arábia. Aí começa um longo percurso pedestre (W6a) que sobe até ao planalto elevado de Jebel Shams. Como nós não tínhamos tempo para este demorado percurso, seguimos de jipe pela estrada asfaltada/terra batida que segue até ao topo do planalto.

Jebel Shams Omã Oman

Jebel Shams Omã Oman

Lá, para além da oportunidade de tirar fotos do canyon e dos cumes mais elevados, ou comprar um souvenir de algumas bancas locais, a melhor forma de explorar a zona e sentir verdadeiramente a grandeza da paisagem é a pé.

Jebel Shams Omã Oman

O percurso W4 segue até ao cume sul de Jebel Shams, a uma altitude de 2997 m, mas era um percurso demasiado longo (aproximadamente 11 horas ida e volta) para o tempo que tínhamos. O cume norte, o mais elevado (3010 m), está ocupado por uma base militar e é uma zona de acesso restrito, vedado aos turistas.

Jebel Shams Omã Oman

Optámos pelo percurso W6, conhecido pelo nome “balcony walk”, e que se revelou um dos treks mais espectaculares que já fizemos no mundo. É um percurso linear que se inicia na aldeia Al Khitaym, seguindo pela borda do canyon, até à aldeia abandonada de As Sab (antigamente conhecida como Sab Bani Khamis).

Jebel Shams Omã Oman

Jebel Shams Omã Oman

Jebel Shams Omã Oman

Tendo o precipício da garganta An Nakhur mesmo ali ao lado, este percurso não é por isso aconselhável a pessoas que sofram de vertigens, mas, apesar de por vezes exposto a declives quase verticais, o percurso (um antigo trilho de burros) não é difícil de percorrer, o seu desnível não é muito acentuado (pois segue na encosta da ravina sem descer muito), e não é muito longo (7 km de comprimento, cerca de 4 a 5 horas ida e volta).

Jebel Shams Omã Oman

Questões técnicas à parte, o trilho é simplesmente espectacular, com uma paisagem de cortar a respiração. Aconselhamos vivamente este percurso para os amantes de natureza e, principalmente, de paisagem de montanha, sendo obrigatório para quem quer explorar um pouco mais o topo do território de Omã.

Jebel Shams Omã Oman

Jebel Shams Omã Oman

Regressados ao nosso jipe, e à companhia do Fahad, o nosso guia da Arabica Orient Tours, fizemos o mesmo percurso de volta a Nizwa, tendo mais uma oportunidade de admirar a paisagem e apreciar uma estrada de montanha bastante cénica. Em Nizwa, mais uma vez, o “nosso” Al Diyar Hotel esperava-nos para um mergulho na piscina e um merecido descanso. O dia seguinte seria a etapa final no nosso périplo pelo norte de Omã.

Jebel Shams Omã Oman

Rui Pinto

Físico de formação mas interessado em todos os aspectos da cultura e história da humanidade. As viagens são o meio privilegiado para um aprofundamento do conhecimento do mundo, das suas gentes e do nosso papel na vida.

More Posts - Facebook - Google Plus

Deixar uma resposta