DICAS de viagem na ISLÂNDIA

DCIM134GOPRO

Precisa de dicas de viagem na Islândia? Este post é para si. Reykjavik é a capital de um dos países mais bonitos do mundo e é a porta de entrada para explorar um dos lugares que concentra mais belezas naturais por quilómetro quadrado. Visitar Reykjavik faz parte de qualquer viagem à Islândia mas não deve dedicar mais do que um dia à cidade, a não ser que queira fazer dela o seu “campo base” e sair em tours.  No entanto, esta última opção tornará a viagem muito mais cara já que os tour rondam os 150€ a 200€/dia. O ideal será voar para Reykjavik, alugar aí carro e depois explorar por sua conta o país.


DICAS GERAIS


– Marcar o hostel atempadamente pela internet pois para além de permitir poupar dinheiro assegurar-lhe um lugar para dormir. No Verão os alojamentos por toda a Islândia esgotam meses antes;

– Procurar viajar fora dos meses de Julho e Agosto porque os preços do alojamento e do aluguer de carro baixam para menos de metade;
– Usar garrafas recicláveis e encher água da torneira todos os dias de manhã. A água da Islândia é de excelente qualidade. É apenas um comportamento sustentável;
– Acampar é a forma mais económica de se viajar na Islândia.
– Escolher bem os lugares onde se vai almoçar. Dar preferência às comidas de rua, como cachorros, pizzas, sopas e sandes. São económicas e permitem aproveitar melhor o dia.
 

TRANSPORTES


Como ir: Nós usamos o voo da Ryanair para fazer a ligação Porto – Londres. Depois voamos de Londres com a WOW para Reykjavik . São tudo vooslow cost por isso as viagens ficaram bastante em conta. Nos dois voos de ida (porque depois daqui fomos para a Gronelândia) gastamos 250€/pessoa (com uma bagagem adicional em cada um dos voos incluída). A bagagem de mão pode ser suficiente para uma escapadela de 10 dias mas para quem, como nós, vai acampar, fazer trek e depois viajar para a Gronelândia, isso não era suficiente. Sendo assim, o voo ficou um bocado mais caro pois está aqui incluído o dinheiro da bagagem de porão.


Acesso ao aeroporto: Há dois aeroportos na cidade de Reykjavik. O aeroporto de Keflavik situa-se a 50 km de Reykjavik e este aeroporto recebe a maioria dos voos europeus. O aeroporto doméstico tem alguns voos para Copenhaga e para a Gronelândia. Este aeroporto situa-se no centro da cidade.

Há várias hipóteses para chegar e sair do aeroporto de Keflavik. O metro não é uma opção, sendo que só resta o táxi e o bus. Os táxis são demasiado caros, pelo que excluímos logo essa opção. A viagem pode custar cerca de 18000 ISK (cerca de 120€). Pose ser mais rápido mas o preço não engana.  A melhor opção é utilizar uma das duas empresas de shuttle que fazem o transporte entre  Keflavik e os principais hostels e hotéis da capital. As empresas que prestam este serviço são a Flybus e a Airport Express. O bilhete custa 2400 ISK (ida) ou 4000 ISK (ida e volta). Há shuttles para todos os voos.
Nós usamos o serviço da Airport Express já que esta companhia faz a conexão dos vôos com os principais hotéis e hostels da cidade  e permite parar na Blue Lagoon, recolhendo-nos algumas horas depois para nos levar para o hostel. O conjunto do shuttle custa 24€ (3700 ISK) por pessoa e permite rentabilizar a tarde de chegada ou partida a Reykjavik. Esta visita é possível fazer em ambos os sentidos.
Aeroporto Doméstico fica no centro da cidade e é servido pela rede de autocarros urbanos. Para chegar ao centro da cidade basta apanhar o autocarro nº 15 para Hlemmur e aí ver o local para onde quer ir. Para o Reykjavik City Hostel (onde nós ficamos) basta apanhar o autocarro n º 15 para Hlemmur e aí mudar para o autocarro n º 14 e sair na paragem de autocarro Laugarásvegur.

DENTRO DA CIDADE


Bus: Reykjavik tem um excelente sistema de bus com serviços regulares de e para todas as principais cidades islandesas e atracções da capital. A estação central de bus de Reykjavik situa-se em Hlemmur e está localizado na principal rua comercial Reykjavik em Laugavegur.

Cada bilhete de viagem de bus custa 350 ISK (cerca de 2,15 €) e pode ser adquirido a bordo. Note que o motorista não dá troco, você terá que ter a quantidade correcta de dinheiro. Quando pagar o seu bilhete de bus, não se esqueça de pedir um bilhete de transferência (transfer ticket), ou “skiptimidi” em islandês. O bilhete de transferência é o comprovativo do pagamento da tarifa para a sua segunda viagem de bus, desde que efectuada no prazo de 75 minutos. Pode ainda adquirir a bordo conjuntos de 9 bilhetes por 3000 ISK ou passe para um dia por 900 ISK. O site da Straeto permite programar a sua viagem.
Clique no mapa para ver a versão pdf
Nós não usamos o bus para viagens entre diferentes cidades mas se pretender fazê-lo pode consultar esta página da Straeto que tem os mapas, horários e preços. O Terminal Rodoviário BSI  é no centro da cidade. Basta apanhar o autocarro n º 14 para o o porto ou o mesmo autocarro na direcção oposta se for para a zona do parque de campismo ou do Reykjavik City Hostel. Neste caso, deve sair na paragem Laugarásvegur

ALOJAMENTO


Há vários hostels e hotéis onde é possível alojar-se em Reykjavik. Nós optamos pelo Reykjavik City Hostel pela localização, preço, por oferecer cozinha equipada e pelo facto de ser um dos melhores lugares para conhecer viajantes na cidade. O hostel não é central mas fica localizado perto de uma paragem de bus o que permite chegar rapidamente ao centro. Para além disso é bastante mais barato do que os hostels do centro da cidade o que o torna numa excelente opção para quem viaja em “budget“. O hostel tem cozinha, o que permite preparar as refeições todas, desde o pequeno-almoço, almoço e jantar.

Nós escolhemos um dormitório de 6 camas e marcamos pelo HI Hosteling com quase quatro meses de antecedência. Cada cama custou 3450 ISK/pessoa (cerca de 22€). Este preço é óptimo tendo em conta que estamos na Islândia. O hostel dá para marcar através do booking.com.

 


O que fazer em Reykjavik?


O que fazer na Islândia?


Para conhecer a Islândia com alguma liberdade é conveniente alugar um carro e planear bem a sua viagem. Foi isso que nós fizemos. Alugamos o carro numa empresa islandesa – Procar.is – e recolhemos o carro no escritório da companhia no centro de Reykjavik. Nós alugamos o carro online, mas poderá fazê-lo no aeroporto, no centro da cidade ou, tal como nós, através do próprio site. O carro que alugamos era um TOYOTA YARIS novo e foi a nossa companhia durante 10 dias. O carro era bastante bom e permitiu-nos facilidade de movimentos e bastante independência.


Nós programamos a nossa viagem antecipadamente. Escolhemos uma série de lugares que queríamos conhecer, vimos como lá chegar e traçamos o nosso itinerário.

Para mais dicas sobre como viajar de carro na Islândia pode ver aqui.

Poderá também aí encontrar outras dicas de viagem na Islândia.


PROCURE ALOJAMENTO NA ISLÂNDIA

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida, culminando num doutoramento nos Andes, investigando ambientes glaciares. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

15 Comment

  1. Susana says: Responder

    ola Carla,
    Adorei ler e reler o vosso blogue. Vou na ultima semana de Maio com uma amiga nesta grande aventura que é a Islândia.
    Já decidimos alugar carro e estamos neste momento a decidir a rota.
    gostaria de saber os sítios onde acamparam se é preciso reservar o camping com antecedência ou basta chegar e pernoitar.
    já pesquisamos estamos um pouco confusas… qual a melhor opção.
    obrigada

    1. Carla Mota says: Responder

      Basta chegar e acampar. Nós nunca reservamos e, normalmente, chegávamos bem tarde. Ainda por cima era julho. Em Maio não há qualquer problema. Boa viagem. 😀

  2. Boa tarde,
    que companhia área melhor recomendam para esta viagem?

    1. Carla Mota says: Responder

      Nós viajámos com a WOW e gostamos. Mas usamos essa apenas porque era mais barata.

  3. Sara Sousa says: Responder

    Obrigada pelo v/ artigo. Foi com base nele que a vontade de ir à Islândia aumentou e é nele que estou a basear a minha viagem! :)

    1. Carla Mota says: Responder

      Sara, obrigada 😀

  4. pedro r says: Responder

    Obrigado por esta vossa informação.
    Gostaria de vos perguntar se ficaram sempre no mesmo hostel, ou foram trocando de sitio sempre que fossem para mais longe do centro.
    Acham que na vossa opiniao se alugar um carro dá para ver tudo e ficar com a estadia so para um sitio?

    1. Carla Mota says: Responder

      Olá Pedro. Os dias que estivemos em Reykjavik estivemos sempre no mesmo hostel. Mas só para explorar a cidade. Quando saímos da cidade, começamos a dar a volta à ilha e fomos sempre mudando de alojamento. Algumas vezes usamos hotéis, outras hostels e também acampamos. Se alugar carro o melhor é ir dormindo em sítios diferentes porque poupa muito na gasolina, não precisa estar sempre a voltar a Reykjavik. Só se a sua viagem se destinar apenas à zona da capital é que vale a pena ficar sempre no mesmo sítio. Espero ter ajudado. Qualquer coisa, diga.

      1. pedro r says: Responder

        Obrigado pela resposta, a ideia é mesmo dar a volta grande á islândia e ainda para mais sozinho. acho que faria sentido de facto ir fazendo paragens em cada um dos sítios que for visitando. o mal é que ainda não fiz uma rota do que ver em concreto para ter uma noção de marcar as estadias em cada um dos sítios que for ver. isso é o que me está a ser mais difícil de facto. mas obrigado pela atenção 😉

        1. pedro r says: Responder

          outra coisa, vocês conseguiram fazer pagamento em euros ou foram a um banco e tiveram de levantar dinheiro islandês?

          1. Carla Mota says:

            Levantamos dinheiro no ATM ou pagávamos com multibanco.

  5. Sarah says: Responder

    Muito legal! Vocês viram aurora boreal? 😊

    1. Carla Mota says: Responder

      Fomos no Verão. Não vimos.

  6. João Vilar says: Responder

    Excelente artigo.
    Obrigado,
    João Vilar

    1. Carla Mota says: Responder

      Obrigada pelo feedback, João. :) É bom termos essa motivação.

Deixar uma resposta