DICAS de viagem em COPENHAGA | Dinamarca

IMG_9247
Copenhaga é uma cidade magnífica, cheia de atracções turísticas. Tem também vários lugares menos conhecidos mas igualmente dignos de uma visita mais prolongada. São necessários no mínimo dois dias para conhecer a cidade. Mas, o ideal é fazer um roteiro de três dias pois permite conhecer melhor a cidade e alguns lugares fora dos roteiros tradicionais. É, contudo, uma cidade cara para se viajar, pelo que a visita deve ser devidamente programada de forma a poder tornar-se um destino em conta.

DICAS GERAIS


Marcar o hostel atempadamente pela internet porque permite poupar bastante dinheiro;
– Procurar viajar fora dos meses de Julho e Agosto porque os preços do alojamento baixam para menos de metade;
– Procurar um hostel que ofereça jantar incluído (é o caso do Downtown Hostel) o que vai permitir poupar imenso dinheiro;
– Escolher um hostel com cozinha, o que permite comprar comida no supermercado e cozinhar. As refeições são extremamente caras em Copenhaga. O preço da comida no supermercado não é muito diferente daquele no supermercado ao lado da nossa casa.
– Usar garrafas recicláveis e encher água da torneira todos os dias de manhã. A água de Copenhaga é de boa qualidade. É apenas um comportamento sustentável;
– Se tens cartão de estudante, cartão Jovem ou cartão de professor lea-o contigo. Dá grandes descontos nos museus e nos monumentos.
– Visita o Museu Ny Carlsberg Glypotek ao domingo pois a entrada é grátis.
– Escolher bem os lugares onde se vai almoçar. Dar preferência às comidas de rua, como cachorros, pizzas e sandes. São económicas e permitem aproveitar melhor o dia.

TRANSPORTES


Como ir: Os voos Lisboa-Copenhaga da easyjet são eram bastante em conta. Nós voamos para a capital da Dinamarca por apenas 35€/pessoa. A bagagem de mão foi suficiente para uma escapadela de 5 dias, o que permite poupar o dinheiro da bagagem de porão. Para chegar a Lisboa apanhamos um autocarro no Porto e em 3 horas chegamos a Sete Rios e daí apanhamos o metro directamente para o aeroporto. Agora a Easyjet não voa para Compenhaga, mas há voos da Ryanair a partir do Porto.



Acesso ao aeroporto: Há várias hipóteses chegar e sair do aeroporto de Copenhaga. O metro é a opção mais rápida e frequente, mas também poderá usar o comboio ou o S-train. 


Dentro da cidade: Há várias opções para te deslocares dentro da cidade de Copenhaga, desde o metro, o S-train, o comboio e o barco. Os bilhetes servem para todos os meios de transporte mas só são válidos para cerca de uma hora e meia. Isso significa que para chegar a qualquer lugar não interessa quantos transportes vais usar, mas sim as zonas em que te vais deslocar. Se vieres do aeroporto para o centro da cidade deves adquirir um bilhete de 3 zonas (36 Dkk) e apanhar o metro. Mesmo que depois precises de trocar de linha ou para um autocarro, continuas com o mesmo bilhete. Os bilhetes adquirem-se em máquinas automáticas disponíveis em todas as estações ou nos autocarros. Pode-se pagar os bilhetes em dinheiro (moedas) e em cartão multibanco (também aceita os cartões portugueses).


Metro: a rede de metro é bastante diminuta mas possivelmente adequada a toda a área que vais utilizar. A estação de Kongers Nytorv é a mais central e dá acesso ao porto – Nyhavn – e aos principais lugares turísticos da cidade. A estação de Chirstianshavn dá acesso ao bairro de Cristiania. A estação de Lufhavnen é a estação que sai directamente no terminal 3 do aeroporto.

Para já só existem duas linhas de metro (M1 e M2), mas estão mais a ser construídas. Quando as novas linhas de metro (M3 e M4) estiverem prontas o mapa do metro será este:
O site do metro permite planificar a viagem e ver as conexões necessárias, assim como informação prática sobre o acesso à cidade desde o aeroporto. http://intl.m.dk/#!/

S-train: o S-train permite explorar a área metropolitana de Copenhaga saindo do centro da cidade. Usa os mesmos bilhetes que o metro e com o mesmo sistema de zonas. As linhas estão identificadas por ordem alfabética.

A estação de Osterport permite explorar a área da Cidadela e da Pequena Sereia. Para quem quiser visitar a galeria de arte de OrdrupGaard deve apanhar o S-train linha C até Klamperborg e aí apanhar o autocarro 388 até à galeria (bilhete de 4 zonas – 48 Dkk/pessoa). Para visitar o castelo de Frederiksborg deve-se apanhar também o S-train, linha E para Hillerod, aí apanhar um autocarro local: 301, 302 ou 324. Também é possível caminhar desde a estação até ao castelo mas o percurso demora cerca de 20 minutos.

Comboio: É possível apanhar o comboio no aeroporto até København H (estação central). Se está a programar viagens de comboio convém estar atento a que a maioria dos comboios regionais começam com IC, ou OR para o regional entre København H e Malmö, na Suécia. Essas não são as únicas designações, mas são as mais comuns. A linha que vai de Helsingor e passa por Copenhaga a caminho de Malmo, na Suécia, é a mais usada para os passeios diários e ligação à Suécia.

Para planificar a sua viagem pode clicar neste site: http://www.rejseplanen.dk/bin/query.exe/en?

Barco: O porto de Copenhaga atravessa a cidade e separa-a de Christianshavn e Amager, duas ilhas a sudeste. É um porto limpo que oferece praias, passeios de caiaque, e uma bela vista da cidade. É possível deslocar-se para cima e para baixo do porto utilizando o “bus-barco” com as linhas 901 e 902. Há seis paragens, sendo que a viagem começa em Nordre Toldbod  e vai até Det Kgl. Bibliotek (Biblioteca Black Diamond). A viagem total de ida e volta dura cerca de uma hora. Pode ser uma forma barata de fazer o “cruzeiro” de Copenhaga.


Autocarro (bus): Copenhaga tem um sistema de bus complexo e denso mas para quem vai passar muito tempo na cidade pode ser uma boa opção. Os autocarros apresentam uma informação visual do nome da próxima paragem o que é bastante acessível, embora esta informação não esteja disponível em todas as linhas.

Nas ruas pode-se encontrar paragens de autocarro procurando por um poste amarelo com os números e itinerário do bus no topo. Há autocarros regulares desde as 06:00 até à meia-noite. Para descarregar o mapa completo da rede de bus de Copenhaga carregue aqui.

NOTA: A multa por andar sem um bilhete válido nos transportes urbanos é muito pesada (750 Dkk, 127 dólares, 100 €), por isso não vale a pena arriscar.

Há um site oficial sobre Copenhaga com alguma informação importante. Podes também pesquisar aqui.

ALOJAMENTO 


Há vários hostels onde é possível alojar-se em Copenhaga. Nós optamos pelo Downtown Hostel pela localização, preço, por oferecer cozinha equipada e pelo facto de oferecer jantar todas as noites.

 
Downtown Hostel: O Downtown hostel foi a nossa opção. O hostel é bastante central, fica localizado perto do Parlamento, entre os canais e a ruas comerciais da cidade. Para quem viaja em “budget” esta é uma excelente opção. O hostel tem cozinha, o que permite preparar as refeições todas, desde o pequeno-almoço, almoço e jantar. Para além disso, todos os dias o hostel oferece jantar aos seus clientes. Basta aparecer cerca de 1 hora antes da hora marcada para assegurar a refeição (só há 30 refeições por dia para os primeiros a chegarem).

Nós escolhemos um dormitório duplo com wc e marcamos pelo booking.com com quase dois meses de antecedência. Esta marcação permitiu-nos arranjar o quarto por 30€/pessoa. Este preço é óptimo tendo em conta que ficamos num quarto duplo, com casa-de-banho privada, no centro da cidade. O hostel dá para marcar através do hostelworld ou do booking.com.

 
Um dos melhores hostels onde já ficamos.

O QUE VISITAR?


 Monumentos/visitas grátis: 

Glipoteca Ny Carlsberg ao domingo;
Nyhavn (porto de Copenhaga)
– Igreja de Mármore
– Igreja Russa
– Igreja do Nosso Salvador, em Christiania
– Praça da Câmara Municipal

Monumentos/visitas que cobram entrada mas onde vale a pena ir:

Carla Mota

Geógrafa com uma enorme paixão pelas viagens e pelo mundo. Desde muito cedo que as viagens de exploração fazem parte da sua vida, culminando num doutoramento nos Andes, investigando ambientes glaciares. A busca do conhecimento do mundo leva-a em direcção a culturas perdidas e ameaçadas, tentando percebe-las. Hoje é também líder de viagens de aventura na Nomad.

More Posts - Facebook - Google Plus - Flickr - YouTube

4 Comment

  1. A. says: Responder

    Tb fiquei no Downtown. Nós ainda apanhamos uma noite com uma festa na cave, e com cerveja grátis. Em relação ao transportes, compramos o passe também pela internet. Mas só usamos uma vez. A cidade faz-se bem a pé. Foi uma das minhas viagens mais baratas, numa das cidades europeias mais caras. heheh Boas Viagens!

    1. Carla Mota says: Responder

      É isso mesmo. É preciso saber fazer as coisas. 😀 Obrigada pelo feedback, Aldina.

  2. Raquel Ribeiro says: Responder

    Obrigada pelas dicas! No Carnaval visitei Copenhaga e as vossas dicas foram um óptimo “instrumento de trabalho” para organizar a visita. Continuação de boas viagens! :)

    1. Carla Mota says: Responder

      Obrigada, Raquel. Muito obrigada pelo feedback.

Deixar uma resposta